ALBERTO CAVALCANTI – PERSONALIDADE DO CINEMA MUNDIAL

March 6, 2010

Na sua longa trajetória artística, de 1923 a 1978, o brasileiro Alberto de Almeida Cavalcanti foi uma personalidade do Cinema Mundial.

Alberto Cavalcanti
Relacionou-se com: a vanguarda francesa na década de vinte; a escola documentarista inglesa nos anos trinta; o impulso da produção comercial britânica nos anos quarenta; e a tentativa industrial em São Bernardo do Campo, nos anos cinquenta. Realizou posteriormente filmes em vários países, adaptando-se sempre muito bem ao meio que freqüentava e formou discípulos em toda parte, além de se dedicar ao Teatro e à Televisão.

Cenógrafo, argumentista, produtor, diretor, especialista na montagem sonoro-visual, experimentador incansável e eclético, exercitou o talento nos mais variados gêneros cinematográficos com homogeneidade de estilo e espírito inovador, alternando-se a tendência realista e a índole fantasista.
Cav, como os colegas ingleses costumavam chamá-lo, nasceu a 6 de fevereiro de 1897 na Rua Marciana, atual Álvaro Ramos, em Botafogo no Rio de Janeiro, filho de Manoel de Almeida Cavalcanti, natural de Palmeira dos Índios, Alagoas e de Ana Olinda do Rego Rangel Cavalcanti, pernambucana de Olinda.

Em 1908, Cavalcanti entrou para o Colégio Militar, saindo no quinto ano para a Faculdade de Direito da Escola Politécnica, onde travou conhecimento com o dramaturgo Roberto Gomes, que o influenciaria bastante. Foi nesse momento que nasceu o amor pelo Teatro, logo seguido do entusiasmo pelo Cinema. “Os dramas dinamarqueses de Asta Nielsen e as comédias de Max Linder me impressionavam tanto que jamais os esqueci”, ele lembrou em certa ocasião para um repórter.
Mas eis que um incidente com o professor de Filosofia do Direito, Nerval de Gouveia, terminou numa greve dos alunos com repercussão por toda a cidade. O pai do rapaz achou conveniente mandá-lo para o exterior, até que tudo tivesse sido esquecido.

Em 1914, Cavalcanti chegou à Suíça e se matriculou na escola Técnica de Friburgo, escolhendo o curso preparatório de Arquitetura. Ainda no mesmo ano foi aprovado no exame de admissão para a escola de Belas-Artes de Genebra.

Diplomado, resolveu assistir às aulas de Deglane na escola de Belas-Artes de Paris, ouvindo depois as lições de estética de Victor Basch na Sorbonne. Em seguida, obteve emprego no escritório do urbanista Alfred Agache que, mais tarde, se ocuparia de projetos de modernização do Rio de Janeiro.
Após ter trabalhado dois anos com Agache, transferiu-se para uma firma de decoração, a Compagnie des Arts Français. Passado algum tempo, tentou ser representante dessa e de outras empresas no Brasil, abrindo um escritório da Rua do Ouvidor.

Os negócios, porém, não corresponderam à expectativa. Com o prestígio do tio, Alberto Rangel, conseguiu um posto no Consulado brasileiro em Liverpool. Antes de embarcar, viu o filme Rose France / 1919 de Marcel L’Herbier e achou que ele bem poderia utilizar um jovem cenógrafo. Escreveu para L’Herbier e, com o apoio do Cônsul Dario Freire, pôde finalmente prestar serviço ao cineasta francês. Dario pediu-lhe que tomasse conta de suas filhas, estudantes na Cidade-Luz. Uma delas, Dido, se casaria com Jean Renoir.

Em 1926, Cavalcanti estreou como diretor em Le Train sans Yeux. Os dois filmes subseqüentes, En Rade e Rien que les Heures, considerados uns dos mais importantes do movimento vanguardista, firmaram-lhe a reputação.

Rien que les heures

Sucederam-se mais alguns trabalhos e, com o advento do cinema falado, foi contratado pela Paramount, fazendo em Saint-Maurice / Joinville, versões de filmes de Hollywood. Depois disso realizou comédias de boulevard para outras produtoras e alguns curtas-metragens.
Nos anos trinta seus filmes mais conhecidos no Brasil foram a versão portuguesa do filme americano Sarah e seu Filho / Sarah and Son / 1930, exibida com o título de A Canção do Berço e O Tio da América / Le Truc du Brésilien / 1932. Na censura brasileira o filme levou primeiramente o título de O Truque do Falso Brasileiro em Paris. A revista Cinearte (nº 370 de 1/7/1933) diz que a empresa distribuidora sofreu um blefe. Vendo a notícia de um filme com o título de Le Truc du Brésilien, dirigido por Alberto Cavalcanti, tratou imediatamente de adquiri-lo; “mas a fita não era muito simpática ao brasileiro e o título foi mudado”. Cavalcanti se ocupou também da versão francesa, Toute sa Vie, porém esta não passou no nosso país.

A Canção do Berço 1930

Le truc du bresilien

Essa fase valeu como aprendizado da técnica do som, precioso subsídio para fecundas pesquisas que levaria a efeito na Inglaterra a partir de 1934, integrando a General Post Office Film Unit (Seção de Cinema do Departamento dos Correios), sob o comando de John Grierson. A G.P.O. operava como uma equipe, todos contribuindo para cada filme e o papel de Cavalcanti foi o de ser o responsável pelas inovações e experiências.

O brasileiro estava entre os diretores que John Grierson classificava de “estetas” em oposição à sua idéia de documentário “não cinemático”, mais direto e funcional. Diferentes temas foram abordados, todos dramatizando a realidade, “para forçar o público a se interessar pelas questões essenciais do país”.

Em 1937, Cavalcanti tornou-se o responsável pela produção da G.P.O. juntamente com J. B. Holmes. Durante a guerra, a Seção de Cinema ficou sob o controle do Ministério da Informação, passando a ser conhecida como Crown Film Unit.

De suas realizações na G.P.O. como diretor, tenho predileção por Pett and Pott, We Live in Two Worlds e principalmente Coal Face, verdadeiro oratório sobre a vida dos trabalhadores nas minas de carvão com efeitos musicais e corais admiráveis. A subida dos mineiros no elevador enquanto ouvem vozes de mulheres que chamam por seus nomes é um dos grandes momentos do Cinema.

Coal Face

Em 1941, Cavalcanti assinou contrato com a Ealing Studios, administrada por Michael Balcon, insinuando-se por diversas vertentes da narrativa de ficção – parábola sobre o absurdo da guerra, comédia musical de época, drama fantástico, adaptação literária – com a mesma facilidade com que cruzava as fronteiras.

Os quatro filmes que ele fez na Ealing (Quarenta e Oito Horas / Went the day Well? / 1942; Champagne Charlie (na TV) / Champagne Charlie /1944; dois episódios de Na Solidão da Noite / Dead of Night / 1945; Nicholas Nickleby (na TV) / The Life and Adventures of Nicholas Nickleby / 1946) e os três imediatamente posteriores realizados para outras companhias (Nas Garras da Fatalidade / They Made me a Fugitive / 1947; O Príncipe Regente / The First Gentleman / 1947 e O Transgressor / For Them That Trespass / 1948) foram os melhores de sua carreira no exterior.

Quarenta e Oito Horas

Champagne Charlie

Michael Redgrave em Na Solidão da Noite

Nicholas Nickleby

Filmagem de Nas Garras da Fatalidade

Trevor Howard em Nas Garras da Fatalidade

Hoje já conheço esses sete filmes e gosto de todos eles, porém o que me surpreendeu foi O Príncipe Regente, brilhante reconstituição histórica com cenários e figurinos impecáveis e a composição de tipo deliciosa de Cecil Parker no papel do extravagante George IV da Inglaterra, quando ainda era o Príncipe de Gales.

O Príncipe Regente

Em 1949, Cavalcanti voltou ao Brasil, convidado por Assis Chateaubriand e Pietro M. Bardi para proferir uma série de conferências no Seminário de Cinema do Museu de Arte de São Paulo e acabou assumindo o cargo de produtor geral da Companhia Cinematográfica Vera Cruz.

Richard Todd em O Transgressor pode diminuir um pouquinho

Cavalcanti ajudou a instalar os estúdios da empresa e a importar material e técnicos, mas só pôde completar a produção de Caiçara, Terra é sempre Terra, um terço de Ângela e três documentários. “Tentei organizar uma estrutura realmente profissional e séria, mas sofri críticas e perseguições de toda sorte, até mesmo com absurda conotação política”, lamentou Cavalcanti para os jornalistas. O fato é que, apesar das incompreensões, a efêmera passagem de Cavalcanti pela firma de Franco Zampari auxiliou a impulsionar o desenvolvimento do cinema nacional.

Desligado da Vera Cruz, presidiu a comissão encarregada pelo Presidente Getúlio Vargas de preparar um plano para a implantação de um Instituto Nacional de Cinema, escreveu o livro Filme e Realidade e dirigiu Simão, o Caolho na Maristela e O Canto do Mar e Mulher de Verdade para a Kino filmes, da qual foi um dos fundadores, preocupando-se em abordar uma temática brasileira.

Mesquitinha e Nair Bello em Simão, o Caolho

Colé e Inezita Barroso em Mulher de Verdade

Colé e Inezita Barroso em Mulher de Verdade

Em 1954, durante o 1º Festival Internacional de Cinema no Brasil, recebeu o Prêmio Governador do Estado “pelo alcance de sua contribuição para a recuperação do cinema brasileiro”. Nesse ano, dirigiu Electra, de Sófocles na TV Record e no Teatro Leopoldo Frois.

Retornando à Europa, dividiu sua atividade entre o Cinema, o Teatro e a Televisão na Áustria, Alemanha Oriental, Espanha, Israel, Itália, Inglaterra, França e depois lecionou na Universidade de Los Angeles, Califórnia.

Cavalcanti voltou novamente ao Brasil em 1969 como membro do júri do Festival Internacional do filme Rio de Janeiro. Em 1970, deu aulas no Film Study Center em Cambridge, Massachussets e ganhou, em 1972, a American Medal for Superior Artistic Achievement.

Só retornaria outra vez à terra natal em 1976, quando conseguiu realizar a antologia Um Homem e o Cinema e publicar nova edição do seu livro. Nesta oportunidade, foi agraciado com o Troféu Coruja de Ouro-Personalidade. No ano seguinte, o British Film Institute homenageou-o com uma Retrospectiva. Cavalcanti faleceu a 23 de agosto de 1982, aos 85 anos, numa clínica da Rue de Passy em Paris, após uma crise cardíaca.

O Canto do Mar

Em 1988, foi mais uma vez lembrado no exterior com uma Retrospectiva (37 filmes) no Festival de Locarno. Nesta ocasião, escrevi para a direção do festival pedindo um catálogo e eles me enviaram o livro de Lorenzo Pellizzari e Cláudio M. Valentinetti, que tem uma excelente filmografia do cineasta. Com base no trabalho dos dois italianos e entrevistando pelo telefone Adalberto Vieira, valioso colaborador e amigo íntimo de Cavalcanti e Ruth de Souza, grande atriz brasileira, elaborei uma bio-filmografia de Alberto Cavalcanti, expandindo a de Pellizzari-Valentinetti, principalmente no que concerne a certos dados biográficos (colhidos no magnífico artigo de Hermilo Borba Filho em Anhembi, nº 37, dezembro 1953), a informações relativas aos filmes curtos feitos por Cavalcanti nos anos trinta na França e aqueles longas-metragens que realizou no Brasil, assinalando outrossim a direção de Electra na TV e no teatro, omitidas no livro citado.

Minha bio-filmografia foi publicada na revista Cinemin nº 48, tendo sido impresso um Reprint Internacional. Alí vocês encontrarão a lista completa de todos os filmes de Alberto Cavalcanti com breves comentários e as fontes mais úteis consultadas.

28 Responses to “ALBERTO CAVALCANTI – PERSONALIDADE DO CINEMA MUNDIAL”

  1. É muito comum citar os episódios de Na Solidão da Noite como a melhor incursão de Cavalcanti no cijema inglês, priciplamente quando os fãs do cinema de horror são perguntados. Em vários aspectos, lembram um pouco o cinema gótico de horror italiano, porém num tom menor. Para mim, a incursão noir do diretor brasileiros em Nas Garras da Fatalidade é um de seus trabalhos mais interessantes, nesta fase de sua carreira. Mais uma vez obrigado pelo excelente artigo sobre um diretor que merece toda consideração.

  2. Gosto de todos os filmes de Cavalcanti na Inglaterra

  3. Adoro este diretor, fico fascinada por filmes que ele dirigiu.
    Gostaria de ver todos.
    Estou caçando faz tempo.
    Ví recentemente na Solidão da noite e tive que rever de tanto que gostei.
    Saber que um brasileiro tem tanto talento, me orgulha muito.

  4. Amiga Syby, Cavalcanti foi uma personalidade do Cinema Mundial. Alguns filmes inglêses dele, alguns estão à venda na HMV-Londres. Os três brasileiros, infelizmente, não saíram em dvd. Simáo, o Caolho passou outro dia na TV Cultura.Existe um documentário intitulado O Homem e o Cinema sobre a carreira de Cavalcanti.Procure no google Cine-TV Nostalgia.Acho que eles têm este documentário, que é muito interessante.

  5. Caro Professor Antonio Carlos,
    Sou Cecília Nazaré, pequisadora do uso do som no cinema brasileiro, com foco nas contribuições de Alberto Cavalcanti e Guerra-Peixe. Nos contatos que venho fazendo, consegui algumas cópias de filmes com pessoas que nem mesmo conheci pessoalmente, mas que sabem da dificuldade de encontrarmos esse material à disposição. Num deles, consegui uma cópia da Revista Cinemim com seu trabalho sobre a filmografia de Cavalcanti. Se tiver interesse em saber mais sobre a minha pesquisa, podemos inicialmente conversar por email. De minha parte tenho o maior interesse nessa aproximação e a certeza de que poderá colaborar muito nas minhas investigações.

  6. Prezada Cecília. Vou lhe enviar um e-mail, para que você fique sabendo o meu, pois não costumo divulgá-lo neste blog, porque não disponho do tempo necessário para atender a todos os visitantes. Quanto à bio-filmografia publicada na revista Cinemin, ela foi revisada num post do meu blog. Vale a pena você dar uma olhada, pois corrigí alguns erros da primeira. Estou à sua disposição … com as minhas limitações.

  7. Caro Professor, retorno após longa data para agradecer suas palavras.
    Fico ainda mais feliz por ter conseguido outro filme dele.
    O Canto do Mar.
    Devo dizer que me deu uma sensação tão importante de ser brasileira e ver este grande talento.
    Vou procurar o Documentário que deu a dica.
    Obrigada!

  8. Tenho certeza de que fará um trabalho muito interessante e competente. Disponha sempre.

  9. Professor Antônio Carlos Gomes de Mattos,

    Tens conhecimento de alguma proposta para resgatar a vida e obra do cineasta Alberto Cavalcanti que possa divulgar sua grande importância ao cinema?
    Observo que há eventos pontuais, acadêmicos, mas ele merece ser lembrado pelo grande público e por todos os profissionais da área devido sua valiosa contribuição.

  10. Conheço a Retrospectiva Alberto Cavalcanti apresentada no 41º do Festival Internacional de Locarno ocorrido de 4 a 14 de agosto de 1988. Nesta ocasião, pensei em escrever um livro sobre Cavalcanti mas verifiquei que no Brasil não havia cópias de quase nenhum filme dele. Vi apenas na Embrafilme o documentário que ele mesmo fez sobre sua obra: O Homem e o Cinema. Hoje, principalmente seus filmes britânicos, incluindo os de ficção, estão disponíveis em dvd no exterior. Publiquei apenas uma bio-filmografia (na revista Cinemin), revista recentemente no meu blog, acrescentando mais alguns dados na filmografia de Lorenzo Pelliziari e Claudio M. Valentinetti, que servira como catálogo da mencionada Retrospectiva e que recebi por gentileza do diretor do Festival. Houve também uma Retrospectiva no BFI (British Film Institute) em 2010 e ainda outra na 26ª Mostra do Festival Internacional de São Paulo em 2002.

  11. Professor Antônio Carlos Gomes de Mattos,

    Agradeço sua atenção e desejo seja possível oportunidade de ler material, porventura escrito, caso repense projeto a respeito de “CAV”.

  12. Desculpe, mas não entendi bem o que disse. Poderia esclarecer ? Referiu-se a material de minha ou sua autoria?

  13. Considerei a possibilidade de material escrito pelo senhor a respeito de Alberto Cavalcanti. Ou mesmo projeto de futura veiculação. Vale a espera por uma publicação com autoria crítica.

  14. Não sei se teria capacidade para escrever um livro sobre Cavalcanti. Acho que já dei uma pequena contribuição com a minha bio-filmografia. De qualquer forma, no momento, estou empenhado no planejamento de um novo livro, desta vez sobre o cinema inglês clássico, tal como fiz com o cinema francês, pois, nos últimos anos, tive a sorte de ver uma quantidade enorme de filmes ingleses dos anos 30/40/50 graças à contribuição de colecionadores estrangeiros e da generosidade do British Film Institute. Estou tomando coragem.Escreva sempre. Um abraço.

  15. Excelente 2012 aos seus propósitos de desvendar o cinema mundial, crendo que “CAV” também pode fazer parte destes.

  16. Desejo o mesmo para você José Alfredo. Acabo de mandar encadernar o livro Alberto Cavalcanti de Lorenzo Pellizzari e Claudio M. Valentinetti, que foi publicado em francês pelo Festival International du film de Locarno em 1988, quando ocorreu a Retrospectiva Cavalcanti. Nesta ocasião, escrevi uma carta para o diretor do mesmo e eles me mandaram este livro, ilustrado e em papel couché, que me chegou às mãos em 15 dias. Foi dele que tirei a filmografia básica de Cavalcanti, que depois aumentei, incluindo dados que eles não tinham, inclusive a informação de que Cav dirigiu teleatro no Brasil.O referido livro teve uma tradução em português publicada aquí. Talvez você o encontre através do site Estante Virtual.

  17. Obrigado professor. Tive oportunidade de consultar um exemplar na biblioteca do SESC-Campinas, durante preparação de seminário acadêmico versando sobre som e imagem no cinema. Neste ano ainda teremos a oportunidade de envidar mais esforços no resgate da vida deste brasileiro da sétima arte.

  18. […] do documentarismo mundial, expoente da escola inglesa, o brasileiro Alberto Cavalcanti deixou observações precisas sobre o fazer cinematográfico. Aqui estão algumas, compiladas dos […]

  19. Prezado Otacilio. Achei muito interessante as observações do Cavalcanti.

  20. Sobre Cavalcanti, além do excelente “Alberto Cavalcanti” (1995), de Lorenzo Pellizzari e Claudio Valentinetti, citado neste artigo; da biofilmografia de A. C. Gomes de Mattos, publicada na revista Cinemin nº 48; e do livro “Alberto Cavalcanti, cineasta do mundo”, de Sérgio Caldieri (2005); temos a ainda inédita tese “O estrangeiro Alberto Cavalcanti e a ficção do Brasil”, de Norma Couri; e “Um canto, um judeu e algumas cartas” (1998), de Claudio Valentinneti. Mas recentemente publiquei o ensaio “Cavalcanti, o brasileiro errante”, no meu livro “O cinema errante” (Perspectiva, 2013), à venda nas boas livrarias. Fiquei curioso a respeito da sua descoberta dos teleteatros dirigidos por Cav no Brasil. Teria mais referências? Abraço!

  21. Olá,Nazario.É um prazer receber a visita de um estudioso do cinema tão importante como você. A informação sobre o teleteatro recolhí, na biblioteca do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, se não me engano, na revista Radiolândia. Depois descobri que ele encenou a mesma peça, Electra de Sófocles, no Teatro Leopoldo Frois em maio de 1954.Na época de minha pesquisa não encontrei informação sobre outros teleteatros ou encenações teatrais.

  22. Grato, A.C.! A informação do teleteatro da TV Tupi eu tinha (p. 26 de “O cinema errante”), creio que minha fonte foi o livro (bem completo) de Pellizzari e Valentinetti. Mas sobre a direção da peça no teatro, não. Boa descoberta! Gosto muito dos seus livros sobre o Filme Noir e o Filme B, e também sou da geração Cinemin. Grande abraço!

  23. É um prazer colaborar com um ensaista do seu porte. Quanto à sua afirmação de que provavelmente teria colhido a informação sobre o teleteatro na obra (magnífica) dos dois italianos, gostaria que me apontasse em que página da referida obra estaria esta informação, pois até o presente momento eu pensava que tivesse sido o primeiro e único a mencioná-lo. Quanto aos meus livros, fico contente de que tenha gostado do Filme Noir e peço que leia a revisão que fiz do mesmo no meu blog recentemente. Creio que este novo texto é mais preciso e mais claro. Um forte abraço.

  24. Caro A.C., fui conferir minhas fichas e, na verdade, a informação está no livro de Caldieri (2005, p. 81). Assim, você certamente foi o primeiro a mencionar o fato, mas já não é mais o único. Caldieri não cita você nem outras fontes que usou. Embora seja rico em informações, o livro de Caldieri (que foi amigo de Cavalcanti) traz alguns erros, que procurei corrigir no meu ensaio.

  25. Obrigado pela informação. Achei o meu trabalho Alberto Cavalcanti Reprint Internacional de Cinemin nº 48 (feito para ser vendido pela EBAL em Portugal), no qual consta que foi na Radiolândia de 17.7.1954 que vi artigo (de Alvaro de Moya) e foto do Cavalcanti atrás de uma câmera, dirigindo o teleteatro. Lembrei-me também que, quando escrevi a matéria, entrevistei por telefone Adalberto Vieira que foi assistente de direção de Cavalcanti e, também por telefone, conversei com a Ruth de Souza.

  26. Que bacana. Tenho uma coleção (incompleta) da Cinemin, vou procurar seu artigo… “Filme e realidade”, o livro de Cav, foi um dos primeiros sobre cinema que eu li, e adorei. Mais tarde, fiquei muito amigo do ator Guará, na época em que ele deveria filmar com o Cav, pois seria o Sancho Pança da peça de Antonio José da Silva que seria encenada no filme “O judeu”, que Cav tentou dirigir no Brasil, mas que a Embrafilme não quis financiar. O Guará me deu o roteiro.

  27. O motivo pelo qual escreví o artigo sobre Cavalcanti na Cinemin foi porque achei que o livro dos dois italianos era fraco com relação às atividades de AC no Brasil. Se não encontrar a Cinemin 48, avise-me, que eu então acrescentarei as fontes que consultei no meu blog sobre AC.Como eram muitas, não as publiquei no blog, e apenas fiz referência à Reprint. Tem muitos artigos escritos por brasileiros aos quais tenho certeza os italianos não tiveram acesso, além , é claro, dos títulos em português dos filmes. Em acréscimo, caso lhe interesse aqui vai o elenco completo de Electra na TV: Madalena Nicol, Valdo Wanderley, Rachel Forner, Nadia Brandel, Wanda Cosmo, Riva Nimitz, Apolo Monteiro, Carlos Cotrim.

  28. Grato pelas informações, AC! Acredita que encontrei a Cinemin 48 nos meus arquivos, tão bem conservada que parece ter saído da gráfica ontem? Pena que não vi este seu “Especial: Alberto Cavalcanti” quando escrevia meu ensaio… Se “O cinema errante” for reeditado e eu puder fazer uma revisão vou incluir seus dados, devidamente creditados. Abraço!

Leave a Reply