GRANDES DUBLÊS DO CINEMA AMERICANO DE OUTRORA

October 28, 2013

Os verdadeiros criadores de tensão e das emoções nos seriados, westerns e filmes de aventura eram de fato os dublês, que anônimamente planejavam e executavam a sucessão contínua de sequências perigosas, supostamente envolvendo os atores. Veteranos do cinema mudo como Bob Rose e Richard Talmadge abriram caminho para a realização de sequências intrincadas, envolvendo manobras com veículos (lanchas, trens, aviões e todas as espécies de carros) e acrobacias.

Bob Rose (1901-1993) nasceu em Telecoe Plains, Tennessee e começou a trabalhar no cinema nos seriados de Ruth Roland, interpretando o irmão mais jovem da protagonista e dublando-a nas cenas mais arriscadas (Rose era muito baixinho – tinha sido jóquei antes de ir para Hollywood – de modo que podia dublar meninos e mulheres). Ele foi geralmente reconhecido como o primeiro dublê a fazer uma transferência com risco de morte de um veículo em alta velocidade para outro – e até de um aeroplano para outro sem pára-quedas -, tornando-se um especialista nestas proezas precisamente cronometradas. Outros astros da cena muda foram dublados por ele tais como Buster Keaton, Ben Turpin, Tom Mix e Harry Houdini (porém era o mágico que fazia seus truques e ilusionismos) e, no período sonoro, ele dublou, por exemplo, uma queda de grande altura de Fay Wray em King Kong / King Kong / 1933 e outra de Jack Palance em Morte Sem Glória / Attack! / 1956.

Rose nunca havia sofrido um arranhão em todos os seus anos como dublê até o acidente ocorrido durante a filmagem de O Vôo do Fenix / Flight of the Phoenix / 1965. Rose estava no avião, quando se deu o desastre em Buttercup Valley no Arizona. O stunt pilot Paul Mantz morreu instantaneamente, mas Rose sobreviveu com alguns ossos quebrados. Rose e seu colega Paul Malvern foram ambos sobreviventes de outra tragédia na filmagem de Sedução do Ouro / Trail of ’98 / 1928  no Alaska, na qual quatro dos oito dublês morreram afogados nas correntezas geladas do Copper River. Rose escreveu a história original e co-estrelou em Demônios do Ar / Lucky Devils / 1933, o primeiro filme a abordar a vida dos stuntmen nos estúdios de Hollywood.

Richard Talmadge (1892-1981), cujo verdadeiro nome era Sylvester Alphonse Metz, nasceu em Camburg, Alemanha e chegou na América em 1910, como membro da Mazetti Troupe, de famosos acrobatas, contratada pelo Barnum & Bailey Circus. Ele iniciou sua carreira no Cinema trabalhando para Douglas Fairbanks, não tanto como dublê, mas mais como modelo. Douglas ficava observando Talmadge e depois realizava aquelas acrobacias extraordinárias em escadas, sacadas, telhados, cortinas, candelabros, diante das câmeras; o ator só era substituido pelo stuntman, quando havia muito perigo de ser ferido. Talmadge tornou-se ele próprio um ator, aparecendo em filmes como Vamos! / Let’s Go / 1923, Através das Chamas / Through the Flames / 1923,  O Campeão do Mundo/ The Speed King / 1923,  O Tesouro dos Piratas / Pirate Treasure / 1934 (seriado). The Live Wire / 1935 etc.

Posteriormente, destacou-se como diretor de segunda unidade em filmes de grande produção como A Conquista do Oeste /  How The West Was Won / 1962 e A Maior História de Todos os Tempos / The Greatest Story Ever Told / 1965. No Brasil, Talmadge ficou conhecido como “o Homem de Borracha” e “o Rival de Douglas Fairbanks”.

Inúmeros dublês demonstraram suas aptidões nos westerns B e seriados: porém, como acontece em todas as atividades profissionais, houve os mestres, aqueles que são considerados “autoridades no assunto”: Cliff Lyons, David Sharpe e Yakima Canutt.

Cliff Lyons (1901-1974), nasceu em uma fazenda em Madison, South Dakota. Depois de chamar a atenção nos concursos de rodeio, ele começou sua carreira cinematográfica alternando com Al Hoxie os papéis de vilão e herói em sete westerns baratos produzidos por Bud Barsky. Os dois atores prosseguiram juntos em outra série, produzida por Morris R. Schlank e, anunciado como Cliff “Tex” Lyons, ele parecia encaminhado para se tornar um astro do western “B” ; porém sua voz não se adaptou bem ao som. Entretanto, ele adquiriu prestígio dublando grandes cowboys como Tom Mix, Ken Maynard, Buck Jones, Johnny Mack Brown, Hopalong Cassidy, George O’Brien e outros. Em 1936, Lyons trabalhou com John Wayne pela primeira vez, e consolidou uma amizade  pessoal e profissional, que duraria três décadas.

Lyons era aquele dublê (que chamavam de ramrod ou stunt coordinator), ao qual o diretor mostrava um esboço da sequência que ia filmar e ele então, para realizá-la, escolhia e supervisionava os outros colegas. O passo seguinte foi a direção de segunda-unidade, tarefa que desempenhou muito bem em vários filmes de John Ford, espetáculos como Sangue de Bárbaros / The Conqueror / 1956, O Álamo / The Alamo / 1960, Taras Bulba / Taras Bulba / 1962 etc,  e também em seriados da Republic, Columbia e Mascot.

David Sharpe (1910-1980),  chamado de “Crown Prince of Daredevils”, foi um dos dublês mais respeitados e requisitados de Hollywood. Ele nasceu em St. Louis, Missouri e cresceu em Los Angeles, interesssando-se por todo tipo de atletismo, especialmente aqueles esportes que exigiam uma regulação cuidadosa de tempo e coordenação física (natação, saltos ornamentais, esgrima e acrobacia), dominando também boxe, luta-livre, judô e jiu-jitsu. Foi o vencedor do National A.A.U. Tumbling Championship por dois anos seguidos (1926-1927). Sua primeira aparição no cinema deu-se quando tinha 12 anos de idade em Robin Hood / Robin Hood / 1922 de Douglas Fairbanks. Dave, o mestre do “salto voador”, seria o treinador e dublê de Douglas Fairbanks Jr. nos anos 40 e 50, inclusive em Sinbad, o Marujo / Sinbad, the Sailor / 1947.

No início dos anos 30, ele interpretou papéis juvenis  e foi um dos astros da série The Boy Friends, produzida por Hal Roach para a MGM. Nessa década, participou  como ator de seriados e westerns “B” (vg. dois filmes curtos dirigidos com Flash, the Wonder Dog, Wild Waters e Death Fangs, produzidos por William Berke). A reputação de Sharpe como dublê  começou a crescer quando ele entrou para a Republic (participando de  A Volta de Dick Tracy / Dick Tracy Returns / 1938), onde, além de dublar os atores principais, ele foi um dos protagonistas de Os Demônios do Círculo Vermelho / Daredevils of the Red Circle / 1939.

Sharpe tornou-se um membro vital do time de dublês da Republic, e assumiu a sua liderança, quando Yakima Canutt começou a alargar suas atividades em filmes classe “A”. Sua agilidade  e coordenação perfeita pode ser notada em O Rei da Polícia Montada / King of the Royal Mounted / 1940 e Polícia Montada Contra a Sabotagem / King of the Mounties / 1942 (dublando Allan Lane); O Misterioso Dr. Satan / The Mysterious Dr. Satan / 1940 (dublando Robert Wilcox); Aventuras de Red Ryder / 1940 (dublando Don Barry); O Homem de Aço / Adventures of Captain Marvel / 1941 (dublando Tom Tyler); O Terror dos Espiões / Spy Smasher / 1942 (dublando Kane Richmond); e Os Perigos de Nyoka / Perils of Nyoka / 1942 (dublando até Kay Aldridge em sequências não designadas para Babe DeFreest ou Helen Thurston).

Em 1941, o produtor Ed Finney  formou o trio Dave Sharp, LeRoy Mason e Chief Thunder Cloud em Silver Stalllion na Monogram. E quando Ray “Crash” Corrigan deixou temporariamente a série Os Três Valentes ou Os Três Destemidos / Range Busters, Sharpe  entrou no seu lugar ao lado de John King e Max Terhune em quatro filmes produzidos nos anos de 1942-1943.

Depois da Segunda Guerra Mundial, na qual serviu como piloto, Sharpe continuou a atuar no cinema como ator, dublê e diretor de segunda unidade (sendo o favorito de vários diretores entre eles John Ford,  Howard Hawks e John Huston). Como ator, os fãs de westerns devem tê-lo reconhecido notadamente em uma cena de luta memorável com Roy Rogers em Os Sinos de San Angelo / Bells of San Angelo / 1947, filmada em glorioso trucolor.

Enos Edward Canutt (1896-1986) nasceu perto de Colfax, Washington e, após conquistar o título de “World’s All-Around Cowboy” em 1919, 1920 e 1923 e outros troféus em rodeios, nos quais ganhou o apelido de “Yakima’, ingressou no cinema como ator e/ou dublê (vg. nos westerns The Heart of a Texan / 1922 e The Forbidden Range / 1923, ambos estrelados por Neal Hart; nos seriados O Fio do Destino / LIghtning Bryce / 1919, A Febre do Ouro / Days of ’49 / 1924 e O Cavaleiro das Sombras / The Riddle Rider / 1924; em vários outros filmes do mesmo gênero em companhias pequenas com destaque para The Human Tornado / 1925).

Outros filmes de Canutt entre 1926 e 1930 foram os westerns The Devil Horse (com o cavalo Rex), The Fighting Stallion (com o cavalo Boy) e Canyon Hawks, os seriados A Caixa dos Mistérios / The Mystery Box e O Oeste Bravio ou O Tesouro do Passado / The Vanishing West. Canutt apareceu como ator/dublê em 19 dos  westerns de John Wayne filmados entre 1933 e 1937.

Quando a Republic iniciou a série Os Três Mosqueteiros ou Os Três Sertanejos / The Three Mesquiteers em 1937, ele de novo teve a chance de trabalhar com seu amigo Wayne em Bandoleiro Inocente / Wyoming Outlaw, Forcas e Facas / Santa Fe Stampede e Bandidos Encobertos / Overland Stage Raiders e em mais nove filmes da mesma série.

Canutt foi o primeiro a dar um pulo do solo para um cavalo em movimento, derrubando seu cavaleiro e criou o lance famoso no qual caía do topo de uma diligência entre a parelha de cavalos, deixava que os cavalos e a diligência passassem sobre ele, e depois se agarrava ao eixo das rodas traseiras e conseguia subir de novo ao topo, para continuar a briga. Seu estupendo salto voador para a frente passando do pescoço de um cavalo para outro (conhecido como The Flying W) foi outra das façanhas quase lendárias que aperfeiçoou (ele a executou dublando John Wayne em No Tempo das Diligências / Stagecoach / 1939). Em …E O Vento Levou / Gone With the Wind / 1939, Yak, dublando Clark Gable, conduziu  uma charrete através das chamas na sequência do incêndio de Atlanta. Ele prosseguiu atuando em vários westerns da Republic nos anos 40, porém devotando a maior parte de seu tempo à função de dublê, principalmente nos seriados como, por exemplo, A Volta do Zorro / Zorro Rides Again / 1937, dublando John Carroll.

Após sofrer um percalço em um filme de Roy Rogers em 1945, que o deixou com dois tornozelos quebrados, Canutt passou a treinar outros dublês e a dirigir sequências de ação, reduzindo seu trabalho como stuntman. Nos anos 50 finalmente ele se tornou diretor na Republic e, quando o estúdio fechou nos meados da década, ele continuou sua carreira como diretor de segunda-unidade nos grandes estúdios (Warner Brothers, Walt Disney, MGM, 20thCentury-Fox) e, como tal, produziu algumas das mais complicadas sequências de ação jamais filmadas em espetáculos como Ivanhoé, O Vingador do Rei / Ivanhoe /1952, Ben-Hur / Ben-Hur / 1959, Spartacus / Spartacus / 1960, El Cid / El Cid / 1961 etc. Em 1966, recebeu um prêmio especial da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas “por seu trabalho como dublê e pelo aperfeiçoamento de muitos dispositivos de segurança usados pelos dublês no mundo inteiro ”.

Dublês como Dick Grace, Al Wilson, Ormer Locklear e Paul Mantz criaram também sequências de ação inesquecíveis em terra, mar e ar.

Dick Grace (1898-1965) nasceu em Morris, Minnesota e se especializou em cenas de desastres de avião nos filmes. Seu primeiro trabalho como dublê ocorreu em dois filmes de Tom Mix, Pelas Alturas / Sky High / 1920 e Sentinela das Matas / Eyes of the Forest / 1922. Depois, assumiu o papel principal em The Flying Fool / 1925 e teve uma participação importante em Wide Open / 1927, ambos produzidos pela Sunset Productions.

Entretanto, seu filme mais famoso foi Asas / Wings / 1927, concebido e escrito por um ex-militar John Monk Saunders e dirigido por William Wellman, que havia sido piloto durante a primeira Guerra Mundial. Grace foi contratado para os dois  desastres principais do filme, um em um Spad e outro em um Fokker. Como os aviões da Primeira Guerra estavam em péssimas condições, Grace supervisionou uma “renovação” antes de voar neles. No ano seguinte, ele coordenou as dublagens de cenas de aviação para O Amor Nunca Morre / Lilac Time / 1928 e, nos anos 30,  deu sua contribuição para A Noiva do Céu / Sky Bride / 1932 e A Esquadrilha Perdida / The Lost Squadron. / 1932.

Al (Albert Peter) Wilson (1895-1932) nasceu em Harrodsburg, Kentucky, mas foi criado no Sul da Califórnia. Apaixonado pela aviação desde criança, ele começou a trabalhar como assistente de manutenção na Schiller Aviation School, onde estudava para ser piloto. Depois, ele ensinou em escolas de aviação, e finalmente se tornou instrutor chefe na American Aircraft Company. Após um breve período como gerente na Mercury Aviation Company, fundada por um de seus alunos, Cecil B.DeMille, Wilson se especializou em executar cenas de ação, inclusive passar da asa de um avião para outro na asa, e acabou deixando a companhia para ser um dublê profissional.

Em 1923, ele começou sua carreira de ator / dublê no seriado Nas Garras da Águia / The Eagle’s Talons, no qual ele se transferia de um avião para um trem em movimento. Em outro seriado, A Cidade Fantasma / The Ghost City, Wilson  se machucou ao saltar de um carro em marcha acelerada para uma corda pendurada em um avião. Depois disso, ele formou sua própria companhia  de produção, e iniciou uma série de filmes curtos – dirigidos por Bruce M. Mitchell – para os quais escreveu os roteiros, desempenhou as cenas arriscadas, e figurou como ator principal (Gavião dos Ares / The Air Hawk / 1924, Águia Humana / The Cloud Rider / 1925, Flyin’ Thru / 1925, The Flying Mail / 1926). Em 1927, Wilson voltou para a Universal estrelando nova série de filmes (Three Miles Up / 1927, Sky High Saunders / 1927, A Patrulha Aérea /  The Air Patrol / 1928, Uma Fuga entre as Nuvens The Cloud Dodger / 1928, Piloto Fantasma The Phantom Flyer / 1928,  Uma Luta no Ar Won in the Clouds/ 1928 e O Concurso AéreoThe Sky Skidder / 1929). Wilson foi também um dos pilotos em Anjos do Inferno / Hell’s Angels / 1930 e, durante a filmagem, ocorreu um acidente, no qual o mecânico Phil Jones morreu. Este episódio marcou o fim de sua carreira como stunt pilot no cinema. Dois anos depois, durante uma apresentação que fez no National Air Races em Cleveland, seu avião teve um problema mecânico e caiu no solo. Ele faleceu alguns dias depois, devido aos ferimentos que sofreu.

Omer Locklear (1891-1920) nasceu em Grenville, Texas, porém foi educado em Forth Worth, onde trabalhou como carpinteiro e mecânico. Ele ficou fascinado pela aviação, tentando construir seu próprio avião e, quando a Primeira Guerra Mundial envolveu os Estados Unidos em 1917, o rapaz se alistou no U. S. Army Air Service.

Locklear se especializou em andar pela asa de um avião para fazer reparos durante um vôo. Ele realizou uma proeza ainda maior no campo de aviação do exército em Forth Worth, em um espetáculo aéreo para ajudar o recrutamento. Enquanto andava pela asa de um avião em pleno vôo, ele pulou para a asa de outro avião alguns metros abaixo.

Em 1919, Locklear excursionou pelo país para apresentar seus números de acrobacias aéreas. Dentro de um ano, ele era o stunt pilot mais conhecido do mundo e assim chegou ao cinema. Carl Laemmle ficou impressionado com a sua participação no filme de Harry Houdini, O Salto da Morte / The Grim Game / 1919, produzido pela Paramount, e o escolheu como ator principal de Corsários do Ar / The Great Air Robbery / 1919. Neste filme, ele executou não somente a sua famosa transferência de um avião para outro como também a transferência de um avião para um carro, e depois de volta para o avião, pouco antes de ocorrer um desastre com o carro.

Após terminar seu trabalho em Corsários do Ar, Locklear continuou a se exibir em espetáculos aeronáuticos e, posteriormente, fez na Fox seu segundo filme, Aviador Temerário / The Skywayman / 1920. No roteiro estava prevista uma cena na qual um avião deveria cair em parafuso na direção do solo e se espatifar em cima dos poços de petróleo. Ela foi originariamente planejada para ser feita usando-se uma miniatura; porém, achando que a cena ficaria irreal, Locklear se ofereceu para fazer a cena perigosa. A filmagem estava escalada para a noite de 2 de agosto de 1920. Um semi-círculo de refletores foram colocados em torno do campo, para permitir que o avião pudesse ser filmado no céu escuro. Locklear, que estava acompanhado de seu colega Milton “Skeets” Elliott, instruiu a equipe de iluminadores, para apagarem as luzes quando o avião chegasse perto dos poços de petróleo, a fim de que ele pudesse sair do parafuso; mas as luzes permaneceram acesas, cegando-o, e aconteceu a catástrofe. Os dois aviadores morreram instantaneamente. A atriz Viola Dana estavam vivendo um romance com Locklear na época, e presenciou a tragédia. Ela descreveu o acidente no episódio “Hazards of the Game” da maravilhosa série documentária, Hollywood: A Celebration of the American Silent Film, de David Gill e Kevin Bronlow.

Albert Paul Mantz (1903-1965) nasceu em Alameda, Califórnia, e desenvolveu seu interesse pela aviação ainda criança, quando seu primeiro vôo em asas de lona fabricadas por ele, foi interrompido pela mãe, que o impediu de se lançar de um galho de árvore. Mantz começou suas lições de pilotagem aos dezesseis anos de idade com o dinheiro que obteve dirigindo um carro funerário durante a epidemia de gripe de 1919. Embora estivesse prestes a receber seu diploma de piloto, o jovem abandonou  o curso, ao presenciar a morte de seu instrutor. Entretanto, em 1927, ele conseguiu se graduar pela Escola de Aviação do Exército dos Estados Unidos em March Field, porém ao fazer um vôo arriscado, aproximando-se de um trem em movimento, ele foi demitido do Exército.

Após trabalhar brevemente na aviação comercial, Mantz rumou para Hollywood, atraído pelos altos salários que os dublês estavam recebendo na época; porém era preciso  ser membro da Associated Motion Picture Pilots (AMPP), e isso só seria possível, depois que ele estivesse empregado pela indústria do cinema. A fim de obter notoriedade, Mantz estabeleceu um recorde, fazendo acrobacias aéreas sensacionais em uma cerimônia ocorrida no aeroporto de San Mateo. Finalmente, em 1931, ao participar de uma sequência de O Jogador Galopante / The Galloping Ghost, na qual teria que voar em direção a um cânion e evitar por pouco de bater nas árvores, Mantz calculou mal sua aproximação e se chocou com uma delas; mas a equipe técnica filmou tudo e ele obteve a sua inscrição na AMPP. Após ter tido muita dificuldade de arranjar trabalho regular como dublê, Mantz aceitou uma incumbência particularmente arriscada, voando em um biplano Stearman através de um hangar em Asas Heróicas / Air Mail / 1932. O filme foi um sucesso, e ele foi sendo aceito pelos estúdios. Sua companhia, United Air Services, oferecia aviões e pilotos, bons preços de aluguel e um seguro para proteger os produtores de riscos financeiros causados por acidentes. Outra empresa sua, a Paul Mantz Services, de vôos fretados, também floresceu e se tornou a favorita entre os astros de Hollywood muitos dos quais, tais como Clark Gable e James Cagney tornaram-se seus amigos.

Mantz fez muitos vôos de “caridade” inclusive salvando quinze pescadores mexicanos de um naufrágio e jogando mantimentos para cinquenta e três bombeiros na área de Santa Barbara , enfrentando um inferno de chamas. Depois do acidente de carro no qual Tom Mix perdeu a vida, foi Mantz o escolhido para transportar o corpo do famoso cowboy até a sua residência. Em 1937, poucos meses depois que Amelia Earhart desapareceu no oceano Pacífico, Mantz instruiu-a em vôo à longa-distância e navegação (e a acompanhou como co-piloto na primeira tentativa frustrada de vôo em volta do mundo).

Em 4 de julho de 1938, Mantz voou de Wichita a Burbank, Califórnia, acompanhado pelo agente de imprensa da Paramount, piloto e escritor de pulp fiction, Edward Churchill, pretendendo bater o recorde de velocidade, que fazia parte da promoção do filme Conquistadores do Ar / Men With Wings. Entretanto, no vôo ocorreram várias dificuldades: o motor esquentou demais sobre o Grand Canyon; ao chegarem em Burbank, o trem de aterrissagem emperrou, e levou trinta minutos para se soltar; e o combustível chegou a um nível perigosamente baixo. Churchill foi afetado por envenenamento de monóxido de carbono e teve que ser atendido por um médico após a aterrissagem. Durante a Segunda Guerra Mundial, Mantz serviu na First Motion Picture Unit (FMPU) na Califórnia. Subsequentemente ao seu desligamento em agosto de 1944, ele comprou uma frota de 475 bombardeiros e aviões de combate excedentes para usá-los no cinema. Em 1945, ele pilotou um P-40 e dirigiu sequências aéreas em A Mão que nos Guia/ God is My Co-Pilot. Em 1949, conduziu um Boeing B-17 nas cenas de aterrissagem de barriga em Almas em Chamas / Twelve O’Clock High, e o material filmado foi usado em vários outros filmes. Ele pilotou também um bombardeiro B-25 para filmar cenas de um travelogue em Cinerama. A certa altura, voou bem perto de um vulcão ativo, e escapou por um triz de colidir com a boca do vulcão, quando os motores pararam em virtude da falta de oxigênio.

Muntz morreu em 8 de julho de 1965, quando trabalhava em O Vôo do Fenix / The Flight of the Phoenix, produzido e dirigido por Robert Aldrich. Pilotando um avião construído especialmente para o filme, Mantz bateu em um pequeno morro, quando passava sobre um sítio deserto no Arizona para um segundo take. O avião partiu-se em dois, matando Mantz e Bob Rose, um outro dublê que estava na cabina representando o personagem interpretado por Hardy Kruger, ficou seriamente ferido.

Tom Steele e Dale Van Sickel foram outros dois extraordinários dublês. Tom Steele (1909-1990), cujo verdadeiro nome era Thomas B. Skeoch, nasceu na Escócia, e foi para a América com sua família ainda criança, estabelecendo-se no Norte da Califórnia. Exímio cavaleiro, ele jogou polo competitivamente quando jovem, e também trabalhou em uma usina siderúrgica, que foi a fonte de seu nome profissional Tom “Steele”.

No início da Depressão, ele partiu para Hollywood a fim de se tornar ator, e estreou no cinema em um western de George O’Brien,  A Lenda do Vale / The Lone Star Ranger / 1930. Porém logo Steele, amparando-se na sua habilidade como cavaleiro, preferiu exercer a função de stuntman embora possa ser visto também em pequenos papéis através de sua carreira (vg. como o guarda da prisão  em Brutalidade / Brute Force / 1947). Ele assumiu o cargo de stunt coordinator na Republic, quando David Sharpe foi servir à pátria na Segunda Guerra Mundial (Steele foi considerado incapaz para o serviço militar por causa de um antigo ferimento em decorrência de um acidente na usina siderúrgica).

Nos seriados, Steele  atuou como dublê de Rod Cameron (vg. em A Adaga de Salomão / Secret Service in Darkest Africa / 1943), Richard Bailey, Clayton Moore e Sammy Baugh. Nos anos 40 e início dos anos 50, muitos atores da Republic eram escolhidos devido à sua semelhança física com Steele, e não o contrário. Nos filmes de longa-metragem, Steele era sempre o dublê de Wild Bill Elliott.

Seu papel mais notável na Republic (onde atuou também com certo destaque em O Porto Fantasma / Haunted Harbor / 1944), foi o do personagem principal do seriado O Maravilhoso Mascarado / The Masked Marvel / 1943, pelo qual ele nunca recebeu crédito. Neste seriado sensacional, Steele caía em cima de um caminhão em chamas cheio de explosivos mas uma lona atenuava sua queda, e ele escapava ileso; pulava de uma lancha veloz para outra, e saltava desta última, antes que ela explodisse; era jogado em um poço de elevador, e se salvava agarrando-se em um elevador que subia; tornava-se o alvo de um caminhão em disparada, pulando para um lado em uma fração de segundo; trancado em um baú, carregado por um caminhão que se encaminhava para um precipício, escapava quase à beira do abismo; era atacado por uma variedade de bandidos armados com pistolas, facas, machados etc. e dominava todos eles.

Steele participou também de filmes realizados em outros estúdios como A Carga da Brigada Ligeira / The Charge of the Light Brigade / 1936, A Estrada de Santa / Santa Fe Trail / 1940, À Beira do Abismo / The Big Sleep / 1946, O Monstro do Ártico / The Thing / 1951 (no qual ficou no lugar de James Arness, que fazia a criatura do título, nas cenas envolvendo fogo e ataque de cães) e, até em Cidadão Kane / Citizen Kane / 1941, como um repórter agressivo jogando-se no estribo do automóvel de Kane,  quando ele partia.

Nos anos 60 e 70 Steele continuou ativo como dublê, mas aceitou fazer algumas “pontas” como ator, inclusive como um chofer de caminhão em Caçador de Aventuras / Harper / 1960, um guarda de segurança no filme de James Bond 007- Os Diamantes São Eternos / Diamonds Are Forever / 1971 e dirigiu um dos carros na clássica sequência de perseguição em  Bullit / Bullitt / 1968 etc.

Dale Van Sickel (1907-1977) nasceu en Eatonton, Georgia, mas cresceu em Gainesville, Florida, onde se tornou um craque do futebol americano e jogou também basquete e basebol. Depois de formado, ele permaneceu na Universidade da Florida, para ser treinador assistente dos times de futebol e basquete durante as temporadas de 1930 e 1931. Por volta de 1933, Dale mudou-se para Hollywood com a finalidade de iniciar uma carreira como dublê e estreou nesta qualidade em um filme dos irmãos Marx, O Diabo a Quatro / Duck Soup / 1933. Em seguida, estreou como stuntman na Republic dublando Reed Hadley em A Legião do Zorro / Zorro’s Fighting Legion / 1939  e, durante algum tempo, prestou sua colaboração  como ator e/ou dublê  em seriados da Universal (vg. Don Winslow na Marinha / Don Winslow of the Navy / 1942, Guerra aos Gangsters / Gang Busters / 1942, Salteadores do Ouro / Raiders of Ghost City, / 1944, A Chave Mestra / The Master Key / 1945), Columbia (vg. A Volta da Aranha Negra / Spider Returns / 1941, Flecha Negra Black Arrow / 1944) e principalmente da Republic (vg. dublando Dick Purcell em Capitão América, o Vencedor / Captain America / 1944 (no qual também estava Tom Steel como bandido), O Porto Fantasma / Haunted Harbour / 1944, O Segredo da Ilha Misteriosa / Manhunt of Mystery Island / 1945, As Aventuras de Frank and jesse James / The Adventures of Frank and Jesse James / 1948).

Entre os westerns da Republic, Dale pode ser visto dublando John McGuire em Sinos de San Angelo / Bells of San Angelo / 1947, Roy Barcroft em Vingança de Índio / Renegades of Sonora / 1948, Douglas Fowley em O Mistério do Lago / Susanna Pass / 1949, Grant Withers em Vida de Circo / Trigger Jr. / 1950, Stephen Chase em Perseguindo Criminosos / El Passo Stampede / 1953 e uma dúzia de outros atores. Estima-se que ele tenha participado nos anos 40 e 50 de mais de 200 filmes. Sua carreira em Hollywood durou quase cinquenta anos, destacando-se entre seus últimos trabalhos títulos como Spartacus / Spartacus / 1960,  Desafio à Bala / Requiem for a Gunfighter / 1965, Se o Meu Fusca Falasse / The Love Bug / 1968 e Encurralado / Duel / 1971, o filme de televisão de Steve Spielberg com Dennis Weaver. Dale foi um dos fundadores da Stuntmen’s Association of Motion Pictures.

No seu livro In The Nick of Time – Motion Picture Sound Serial (McFarland, 1984), William C. Cline, um dos mais renomados estudiosos dos seriados, relaciona – além dos dublês que já citei – muitos outros stuntmen, que ele chama magnificamente de “Filhos da Aventura”. Entre eles: Carey Loftin e Harvey Parry (mestres nas cenas arriscadas de automóvel e motocicleta); Bud Osborne, Terry Wilson e Frank McGrath (especialistas em cenas idênticas com cavalos e carruagens desenfreados), Joe Yrigoyen e seu irmão Bill (peritos na transferência de uma sela para uma carroça em movimento): Kermit Maynard (um dos melhores cavaleiros nos filmes dos anos trinta, que dublava seu irmão Ken); Dick Crockett e Charles Horvath (atletas sensacionais nas  quedas  de uma grande altura); Saul Gross e Paul Stader (respectivamente notados por sua agilidade nas lutas de esgrima e cenas de natação e/ou mergulhos no mar de uma grande altura); Harold “Stubby” Kruger, natural do Havaí e competidor olímpico, especializado em ambas as ditas modalidades; Fred Graham, Eddie Parker, Ken Terrell, Duke Green, Bud Geary, Al Taylor, Bud Wolfe, John Bagni (responsáveis por  memoráveis cenas de briga) e ainda Jack Williams, Ken Cooper, Jack Wilsey, John Daheim, Wally MacDonnell, Otto Mazetti, Chuck Roberson, Bill Williams, Chuck Hayward etc. Brownlow nomeou outros tantos da cena muda: Charles Hutchinson, Jean Perkins, Cliff Bergere, John Stevenson, Leo Noomis. Sem falar nas dublês femininas: Lila Finn, Martha Crawford, Pauline Wagner, Helen Gibson, Helen Thurston, PollyBurson, BabeDeFreest.

É difícil imaginar o que os seriados, os westerns, os filmes de aventura, e até o cinema em geral, seriam sem eles.

2 Responses to “GRANDES DUBLÊS DO CINEMA AMERICANO DE OUTRORA”

  1. Professor, como o senhor disse:”É difícil imaginar o que os seriados, os westerns, os filmes de aventura, e até o cinema em geral, seriam sem eles.”

    Excelente comentário sobre os heróis desconhecidos, que faziam os mocinhos pareceram bem melhores na tela.

    Mais recentemente, nas décadas de 40 e 50, pode-se citar Jock Mahoney que também faz parte desse grupo destemido.

    A McFarland está lançando este mês um livro dedicado a Mahoney e suas proezas.

    Mario Peixoto Alves

  2. Obrigado Mario, pela sua informação. É sempre um prazer ouvir um estudioso do cinema como você, atento ao acontecimentos do Cinema Classico.

Leave a Reply