A VIDA DOS SANTOS NO CINEMA

February 20, 2014

Quase sempre sem se darem conta de que é muito difícil realizar um autêntico filme religioso, os cineastas têm levado para as telas a vida dos santos. Sem ter a pretensão de esgotar o assunto (e excluindo espetáculos de televisão), lembrarei as principais cinehagiografias  produzidas até o final dos anos 60.

Joanna D’ Arc ocupa um lugar de destaque, pois foi sobre ela que se fez o maior número de filmes nesse gênero. Nos primórdios do Cinema  surgiram as versões de Georges Hatot (L’Exécution de Jeanne d’Arc / 1898); Georges Méliès (Joana d’Arc / Jeanne d’Arc / 1899 com Bleuette Bernon); Albert Capellani (La Vie de Jeanne d’Arc / 1908 com Léontine Massart); e Mario Caserini (Vita de Giovanna d’Arco / 1909 com Maria Gasperini).

Nos anos dez, foram realizados Joana d’Arc / Giovanna D’Arco / 1913 de Ubaldo Maria Del Colle com Maria Jacobini, uma das divas da cena muda italiana e Jeanne d’Arc / Joan the Woman / 1917 de Cecil B. De Mille  (obs. o filme estreou no Rio de Janeiro como Jeanne d’Arc, escrito assim em francês mesmoe em São Paulo como Joana d’Arc, A Donzela de Orleans) com a cantora de ópera Geraldine Farrar.

O filme de Del Colle narra os momentos mais importantes da vida de Joana d’Arc. Quando jovem, aprecem diante dela São Miguel, Santa Margarida e Santa Catarina, que lhe indicam o êxito que terá na Guerra dos Cem Anos entre seu povo francês e os inglêses. A sua missão terminará com o processo ordenado pela Inquisição, o qual a levará à morte na fogueira.

A Donzela de Orleans é o protótipo dos futuros espetáculos de Cecil B. DeMille. Sua manipulação das massas nas grandes cenas de batalhas (com a ajuda de sete câmeras e um pequeno exército de assistentes de direção incluindo seu irmão mais velho William C. DeMille, George Melford e Donald Crisp) é excepcional, igualando-se ao trabalho de D. W. Griffith em Nascimento de Uma Nação / The Birth of a Nation / 1915. A direção de arte de Wilfred Buckland impressiona e o clímax com Joana na fogueira, colorido pelo processo Hanschiegl de stêncil, é antológico.

Em 1928, o dinamarquês Carl Theodor Dreyer fez O Martírio de Joana d’Arc / La Passion de Jeanne d’Arc com Falconetti, genuíno poema litúrgico que figurava sempre nas listas dos dez melhores filmes de todos os tempos. O filme de Dreyer causou uma revolução estética com a utilização sistemática e eloquente dos grandes planos, desvendando a alma da heroína e de seus algozes, a brancura e a abstração dos cenários, os enquadramentos imprevistos e a montagem minuciosa, e até hoje gera impacto com sua perfeição estilística a serviço da verdade interior.

Analisando o filme, Pierre Leprohon (Cinquante Ans de Cinéma Français, 7e Art, 1954) percebeu que “a abundância de primeiros planos, os ângulos de câmera mais insólitos justificam-se pela posição ou o olhar dos personagens-testemunhas; o espectador se torna então cada um dos personagens que vêem Jeanne e que Jeanne vê. É uma espécie de diálogo constante de fotogenia que, escamoteando a palavra expressa, discursa através dos pensamentos”

Captura de Tela 2015-06-11 às 00.42.11

Não se pode dissociar da obra sua intérprete, Renée Falconetti, atriz de teatro que ficou famosa por este seu único filme. Supervisionada com muito rigor por Dreyer e, tal como os demais componentes do elenco – Silvain (Cauchon), Maurice Schutz (Nicolas Loyseleur), Antonin Artaud (Jean Massieu), Michel Simon (Jean Lemaître), Jean d’Yd (Guilaume Evrard) – renunciando à maquilagem, ela viveu intensamente o papel de Joana, como se estivesse em estado de transe e em permanente tensão dolorosa.

No número especial da revista Cahiers du Cinéma sobre Carl Th. Dreyer (nº 207, décembre 1968), Henri Langlois observou: “Dreyer radiografou literalmente as almas. Ele agiu sobre os atores com uma tirania tal, que eles deixaram de ser eles mesmos, para se tornar os juízes, as testemunhas, os carrascos, a própria Jeanne”… “Não resta mais nada da face de Falconetti, de sua personalidade, ela não existe senão por sua arte, que a faz através dos séculos uma evocação mágica de Jeanne d’Arc”.

La Merveilleuse Vie de Jeanne d’Arc / 1928 de Marco de Gastyne, foi um projeto ambicioso de Bernard Natan (dois anos de filmagem, custo entre oito e nove milhões de francos), que contava a história de Joana  desde a sua infância em Domrémy até à fogueira de Ruão mas passando rapidamente por longos períodos de sua vida com a ajuda de intertítulos um tanto extensos e enfadonhos. A atriz Simone Génevois tinha apenas 16 anos quando o filme entrou em produção e convenceu como a camponesinha que colocou o herdeiro legal no trono francês, empurrando os ingleses para o outro lado do Canal da Mancha. Ela soube dar o devido vigor à sua interpretação enquanto Gastyne providenciava cenas espetaculares (a coroação de Charles VII em Notre Dame, a captura de Joana em Compiègne e especialmente o seu sítio bem sucedido de Orleans) tão boas como as do filme de DeMille.

Durante o período hitlerista, Gustav Ucicky filmou Joana d‘Arc / Das Mädchen Johanna / 1935 com Angela Salloker, como uma propaganda anti-britânica (a Inglaterra era inimiga de Joana), dando a impressão de que a Donzela de Orleans não passava de uma antecessora do Fuherer. Sob a direção fidedigna de Ucicky, mas um tanto estática,  atuou um  elenco de grandes artistas do cinema alemão como Gustaf Grundgens (Charles VII), Heinrich George (Duc de Bourgogne), René Deltgen (Maillezais), Erich Ponto (Lord Talbot), Willy Birgel (La Trémouille), Theodor Loos (Dunois), Aribert Wäscher (Valençon) etc.  O filme foi exportado internacionalmente para mostrar a qualidade da produção alemã porém a mensagem política passou despercebida por muitos espectadores.

Hollywood voltou a abordar o tema em 1948 quando o produtor Walter Wanger, o diretor Victor Fleming  e Ingrid Bergman fundaram a Sierra Pictures, com o objetivo exclusivo de adaptar para a tela a peça “Joan of Lorraine” de Maxwell Anderson, que a estrela havia interpretado no palco com grande triunfo.  O texto de Anderson focalizava uma atriz, Mary Grey, às voltas com a composição da personagem de Joana; no cinema, os roteiristas  (o próprio autor e Andrew Solt) resolveram eliminar o esquema ontem-e-hoje da narrativa, preferindo um tratamento histórico direto de sua vida. Houve muitos recursos (cinco milhões de dólares, quatro mil extras) e cuidados com a autenticidade; mas o resultado não correspondeu à expectativa. O filme Joana d’Arc / Joan of Arc tem sequências deslumbrantes em Technicolor (Oscar para a fotografia de Joe Valentine, Winton Hoch e William V. Skall), entre elas a magnífica recriação da catedral  de Reims (direção de arte, Richard Day) porém, sem movimento e sem substância espiritual. A encenação é medíocre, substituindo o sublime pelo pitoresco.  Por ocasião da estréia o comentarista do Los Angeles Daily News escreveu: … “ já a direção de Fleming é quase insensata”. Do desastre, salvaram-se ainda os desempenhos esforçados de Ingrid Bergman e de José Ferrer, este marcando sua estréia diante das câmeras como o indeciso Delfim.

Na França, em Destino de Mulher (TV) / Destinées / 1953, Jean Delannoy, com a colaboração dos argumentistas  Jean Aurenche e Pierre Bost, contou um episódio pouco conhecido na trajetória de Joana, interpretada por Michèle Morgan, durante a qual ela realiza um milagre, reanimando o corpo de uma criança morta e batizando-a, antes que expirasse definitivamente.

O filme mostrava o destino de três mulheres diante da guerra, desdobrando-se em esquetes, cada qual dirigido por um diretor diferente. No episódio Elisabeth (dir: Marcello Pagliero), uma viúva de guerra (Claudette Colbert) descobria que seu marido fôra amante de uma jovem camponesa (Eleonora Rossi Drago), que lhe dera um filho; no segundo episódio, Jeanne, passado em 1430, Joana d’Arc reencontra um de seus antigos companheiros de armas, o capitão Baretta (Daniel Ivernel), em uma floresta perto de Compiègne e este lhe confirma que seus soldados perderam a fé nela. Porém o milagre realizado por Joana recobra a confiança das tropas, que partem com ela em direção a Compiègne, onde será capturada. No terceiro episódio, Lysistrata (Dir: Christian-Jaque), no ano 411 A.C., as mulheres de Atenas, lideradas por Lysistrata (Martine Carol) decidem fazer greve de sexo contra seus maridos, obrigando-os a concluir a paz com Esparta.

Cada diretor marcou seu segmento com a sua personalidade. Pagliero imprimiu uma atmosfera sentimental e trágica ao seu trabalho; Delannoy restituiu a grandeza e o caráter da grande figura da Pucelle d’Orleans. Christian-Jaque deu um toque de humor e de realismo na reconstituição fantasista que ele fez da história ateniense, enfeitando-a com idéias originais.

Apesar de ser muito velha para o papel (a atriz tinha 34 anos, o dobro da idade de Joana) Michèle Morgan idealizou o personagem da santa guerreira, iluminada por sua fé e pelo ardor combativo exigido pela sua missão sagrada.

Em 1954, Joana d’Arc de Rosselini (TV)/ Giovanna d’Arco al Rogo, de Roberto Rosselini,  enfocou o drama de La Pucelle sob o ponto de vista do neo-realismo. Ele filmou, em Gevacolor, o oratório de Paul Claudel e Arthur Honnegger, “Jeanne au Bucher” com Ingrid Bergman como Joana d’Arc, em uma mise-en-scène de ópera, estilizada, na qual a cor e os gestos deveriam exprimir o essencial do poema musical. Rossellini disse que tentou “reencontrar o estilo, o modo de expressão dos primeiros tempos do cinema”. Para uns, o filme é um ato de pura contemplação; outros aborreceram-se com sua monotonia.

Três anos mas tarde, Otto Preminger dirigiu Santa  Joana / Saint Joan com roteiro de Graham Greene baseado na peça “Saint Joan” de Bernard Shaw. A história de Joana d ‘Arc forneceu ao célebre autor irlandês um drama por vezes comovente, onde o humor, que ele manipulava tão bem, serviu sobretudo como pretexto para reflexões cáusticas, principalmente com relação aos inglêses.

No filme, o Delfim não consegue dormir. Ele vê em sonho a Pucelle e a conversa entre eles evoca os traços marcantes do destino fulgurante de Joana: Vaucouleurs, Chinon, Orleans, Reims e a coroação e depois o processo odioso. É evidente que, sob pena de transformar totalmente o sentido da peça de Shaw, o roteirista não podia ter evitado certos elementos teatrais, notadamente as aparições, que fazem a sua originalidade.

Jean Seberg, escolhida aos 17 anos entre 18 mil candidatas para encarnar Joana, enfrentou um papel difícil mas conseguiu se identificar totalmente com o personagem, exprimindo-se com simplicidade e fervor. O filme tinha ainda, além de um excelente fotógrafo, George Perinal, competente elenco de apoio: John Gieguld (Earl of Warwick), Richard Widmark (exagerado como um Delfim frívolo e covarde), Richard Todd (Dunois), Anton Walbrook (Cauchon), Felix Aylmer (Inquisidor), Harry Andrews (John de Stogumber), Barry Jones (De Courcelles), Finlay Curie (Archbishop of Rheims).

Em 1963, Procès de Jeanne d‘Arc, de Robert Bresson, com Florence Delay (creditada como Florence Carrez), segue rigorosamente os autos do processo do século XV, e é tratado no tom intimista e ascético do cineasta, muito parecido com o de Dreyer. Até então, todos os filmes que haviam tomado por tema Joana d’Arc eram obras pessoais. Seus autores procuravam transmitir ao espectador a idéia que eles faziam dela. Tal não aconteceu com Bresson, que escolheu para matéria viva de seu filme, não um personagem (Joana) mas um texto: as perguntas e as respostas do processo de Rouen.

Em uma entrevista, o diretor declarou que, para ele, o julgamento  é um duelo entre o bispo Cauchon e Joana, confronto narrado no filme com extrema economia de meios, a fim de se manter a realidade nua do drama. Mas, como  acentua Jean D’Yvoire, a um nível mais alto, Procès de Jeanne d ‘Arc é o processo do testemunho da santidade.

São Francisco de Assis mereceu a atenção dos cineastas por várias vezes desde o cinema mudo: Enrico Guazzoni ( Il Poverello d’Assisi / 1911 com Emilio Ghione), Mario Corsi e Ugo Falena (Frate Sole / 1918 com Umberto Palmarini), sendo mais lembrado nesta época A Vida e os Milagres de São Francisco / Frate Francesco / 1927 de Giulio Cesare Antamoro com Alberto Pasquali.

No final dos anos dez, a Milano Films já havia pensado em um projeto sobre São Francisco, encarregando Adolfo Padovani de redigir o roteiro. Porém a Cines agiu mais rápido e, na Exposição Internacional de Turim de 1911, apresentou Il Poverello di Assisi. Segundo recordou Guazzoni, os dois rolos com um total de 450 metros de película produziram uma “enorme impressão” no público, graças sobretudo à interpretação de Emilio Ghione (o futuro protagonista de uma séria centralizada no personagem de Za la Mort, o “apache” sentimental, em torno do qual giravam assuntos “policiais” ambientados no submundo parisiense), que logrou um triunfo pessoal com o seu São Francisco franzino, de olhar profundo e andar hierático.

Sete anos depois de Il Poverello di Assisi, a Tespi Film de Roma filmou A Vida de São Francisco de AssisFrate Sole, anunciado como “reconstituição franciscana em quatro cantos de Mario Corsi, com poemas sacros para orquestra e côro de Luigi Mancinelli”. O êxito do filme e da música foram “grandíssimos”, conforme asseguraram as crônicas da época.

Em 1927, Giulio Antamoro, especialista em filmes religiosos (que em 1926 havia realizado Christus),também obteve muito sucesso com A Vida e os Milagres de São Francisco, inspirado na biografia de São Francisco escrita pelo dinamarquês Johannes Jorgensen com base nos Fioretti. No filme, os fatos históricos são escrupulosamente respeitados e reconstituídos de acordo com o livro de Jorgensen; porém, como comentou Riccardo Capasso (Dizionario Biografico degli Italiani, 1961), a busca da “poesia franciscana” se traduziu em um estilo narrativo vagamente idílico e pouquissimamente emotivo.

Depois veio um filme mexicano, São Francisco de Assis / San Francisco de Assis / 1943, com José Luis Jiménez, dirigido por Alberto (Tito) Gout, ex-maquilador dos estúdios da 20thCentury nos anos trinta, um diretor rotineiro, geralmente dedicado aos melodramas de cabaré do final dos anos quarenta e começo dos anos cinquenta com Ninón Sevilla, Maria Antonieta Pons etc. e unicamente preocupado com a eficácia narrativa.


Bem mais importante  é o clássico Francisco, Arauto de Deus / Francesco, Giullare de Dio / 1950 de Roberto Rosselini, com atores não-profissionais e Aldo Fabrizzi como o tirano Nicolas. Rosselini apresenta sob a forma de antologia, fragmentos dos Fioretti com proposital indigência de encenação e trata os personagens de um modo que pareceu insólito para quem achava que a santidade só podia ser austera. O diretor quer mostrar o Poverello e seus companheiros tal como eram na vida cotidiana: jovens monges com uma alegria e inocência próximas às das crianças, com uma simplicidade de coração que se assemelhava, como disse Henri Agel, a uma “doce demência”.

São Franciso de Assis / Francis of Assisi / 1960 de Michael Curtiz, deveria ter sido um épico religioso à maneira de Hollywood mas saiu um filme reverente e modesto. O enredo conta a vida do “Poeta dos Pássaros”, o milagre da estigmatização e sua morte. Curtiz, sempre correto na direção, conjuga incidentes movimentados com  os instantes sérios, a fim de manter o interesse da intriga. O trecho final é mais impregnado de caráter místico, embora o veterano cineasta não consiga refletir a poesia da realidade. Bradford Dillman põe muito sentimento na composição do “Jogral de Deus” e nos dá um Francisco verdadeiro e humano, passando habilmente da frivolidade de um jovem embriagado pelo prazer  para a elevação de espírito de um santo.

Uma raridade do nosso Ciclo do Recife, História de uma Alma (Vida e Milagres de Santa Teresa de Lisieux do Menino Jesus) / 1926, produção da Vera Cruz Film com roteiro e direção de Eustórgio Wanderley, tendo Noemi Gomes de Matos no papel de Teresa adulta e Maria Pompeu Alcoforado Gesteira como Teresa menina, abre a filmografia de Santa Teresa. Eis um trecho do argumento, relatado por Jurandir Noronha (Dicionário  de Cinema Brasileiro, 2008): … Thereza desde menina dedica-se a ajudar os pobres. Aos oito anos, é internada pelos pais na Abadia dos Beneditinos. Um dia, a irmã Paulina adoece mas é milagrosamente salva pela Virgem, que lhe aparece em sonhos. Estranhamente o claustro do convento enchera-se de neve apesar do tempo quente e seco. Antes de se confessar, Thereza é tentada pelo demônio, que lhe aparece em sonhos, colocando-a diante de sérios embaraços. Consegue no entanto a tudo vencer. Logo alastra uma epidemia no convento, tornando-se ela uma enfermeira dedicada. Depois, consagrou-se à salvação de um jovem sacerdote. Doente, não deixou de participar dos exercícios sagrados; mas, já sem poder sair do leito, sonhou que a Madre Ana de Jesus, que morrera três séculos atrás, lhe confirmava o lugar ao lado do Senhor, morrendo então poucos dias depois … Infelizmente perderam-se as cópias e o negativo desta preciosidade do cinema brasileiro.

No mesmo ano, Georges Pallu (cineasta francês que participou ativamente do cinema mudo português até 1924, realizando adaptações de obras literárias como Rosa do Adro / 1919, Os Fidalgos da Casa Mourisca / 1921, Amor de Perdição / 1921, O Primo Basilio / 1923) fez Rosa Desfolhada ou A Vida Admirável  de Santa Terezinha do Menino Jesus / La Rose Efeuillée, refilmado pelo mesmo diretor em 1936, recebendo o titulo em português de Santa Teresinha do Menino Jesus. Na trama, Rose, uma jovem lavadeira (Simone Vaudry) injustamente acusada de furto, é despedida. Quando o filho do patrão adoece gravemente, ela retorna e, aos pés do menino desenganado, invoca Santa Teresa (Janine Lequesne) e a criança se cura. Na segunda versão, Jacqueline Francell era Rose e Maria Aldona, Thérèse Martin.

Os demais filmes sobre Santa Teresa foram realizados pelo cinema francês: La Vie Miraculeuse de Thérèse Martin / 1929 de Julien Duvivier com Simone Bourday; O Milagre das Rosas / Thérèse Martin 1938 de Maurice de Canonge; Procès au Vatican / 1951 de André Haguet com France Descaut, sem falar em um curta-metragem, Le Vrai Visage de Thérèse de Lisieux / 1964, de Philipe Agostini (com narração de Odette Joyeux e Gerard Oury).

O filme de Julien Duvivier respeita o desenrolar da vida de Thérèse antes de tomar o hábito (ela tem quatro anos, sua mãe morre), depois a partir de sua ordenação como freira até a sua morte e termina com uma imagem na Basílica de São Pedro em Roma, representando a jovem santa; porém a narrativa oculta quase totalmente os escritos de Santa Teresa de Lisieux, que asseguraram a sua posteridade (vê-se apenas um plano de Teresa escrevendo uma carta mas não os textos).

O filme de Maurice de Canonge mostra a vida de Thérèse Martin desde a sua entrada no convento, aos quinze anos de idade, sob o nome de Irmã Teresa do Menino Jesus até sua morte, nove anos depois. Irène Corday comove como a pequena irmã Teresa, principalmente na longa sequência de agonia da jovem santa, destacando-se também a bela partitura do renomado compositor Jacques Ibert.

No filme de André Haguet, por ocasião da canonização da irmã Teresa do Menino Jesus, assistimos a uma reconstituição de toda a sua vida desde a infância em Buissonets; a partida para o Carmelo de sua irmã Pauline;  sua visita ao Papa para obter seu ingresso na mencionada Ordem aos quinze anos de idade; e as múltiplas angústias e as consolações espirituais que a fazem descobrir sua vocação profunda.  Exposta à regra severa do Carmelo e com uma saúde frágil, Teresa não resiste às fadigas que lhe são impostas. Aproveitando os conselhos do abade Combès, especialista no assunto, Haguet conseguiu boas cenas no segmento passado no convento e no encontro com o assassino Franzini – tocado por Deus, graças a Teresa, na manhã de sua execução. Faltou, porém, unidade de estilo e a explicação espiritual de uma vocação, do misterioso início da “história de uma alma”.

Outra santa, Bernadette Soubirous, teve sua vida abordada em: La Merveilleuse Vie de Bernadette / 1926 (Dir: Georges Pallu com Janine Borelli); A Canção de Bernadette / The Song of Bernadette / 1943 (Dir: Henry King com Jennifer Jones);  Il Suffit d’Aimer / 1961 (Dir: Robert Darène com  Danièle Ajoret.  Há ainda muitos documentários  sobre a Virgem de Lourdes  entre os quais o excelente trabalho de Georges Rouquier, Os Milagres de N. Sa. de Lourdes / Lourdes et Ses Miracles / 1954.

Em La Vie Merveilleuse de Bernadette, após ter ficado paralítica em virtude de uma tempestade violenta, a pequena Antoinette  Hirt (Janine Borelli) pede a seus pais que a levem a Lourdes. Seu padrinho organiza a estadia naquela cidade e ouve a história de Bernadette Soubirous pela madre superiora local, de 92 anos de idade. Tudo começou em fevereiro de 1858, quando Bernadette Soubirous (Alexandra) viu aparecer uma dama misteriosa (Janine Lequesne) perto da gruta de Massabielle. As aparições se sucederam suscitando a incredulidade dos habitantes, pelo menos até o jorro de uma fonte miraculosa. No dia da Anunciação, a dama misteriosa se apresenta como a Imaculada Concepção e a gruta se torna um santuário enquanto a polêmica aumenta na imprensa. Conduzida até a gruta, Antoinette sente-se investida da força divina e começa a caminhar. Filmado em Lourdes e nos estúdios de Saint-Laurent-du-Var, o filme teve uma exibição muito limitada fora do Deuxième Congrès Catholique pour le Cinématographe, que teve lugar em novembro de 1929 na Igreja de La Madeleine (Paris).

O filme de Henry King teve por origem o romance do escritor austríaco Franz Werfel mas o diretor e seu roteirista George Seaton fizeram um trabalho de seleção rigoroso, porque seria literalmente impossível transformar em imagem a integralidade do livro. Para encarnar Bernadette, escolheu uma jovem atriz de 24 anos, Jennifer Jones (antes no cinema como Phyllis Isley), dotada de uma beleza juvenil e de uma capacidade de interpretação instintiva. O público e a crítica celebraram o carisma e a presença cinematográfica de Jennifer e ela conquistou  o Oscar de Melhor Atriz. Curiosamente, o papel da Virgem Maria foi entregue a Linda Darnell , que não foi creditada nos letreiros de apresentação. A Canção de Bernadette talvez tenha sido o drama religioso mais sincero e comovente que saiu dos estúdios americanos, graças à delicadeza de sentimentos e à notável noção de continuidade do cineasta. Sem cair no evangelismo extremo ou na caricatura clerical, o espetáculo se posiciona mais como um testemunho de um destino do que como um apelo radical ao cristianismo.

Em Il Suffit d’Ainer Robert Darère optou pelo despojamento, desdenhando aparições e milagres, assumindo o risco de que a adoção desta atitude tornasse pouco compreensível a admiração de todo um país por uma pequena camponesa, que não tinha feito nada de notável. Boas cenas dramáticas, notadamente as do interrogatório e da conversão de Peyremale, e a interpretação transparente de Danièle Ajoret evitaram este perigo. Danièle comunica com uma tal sinceridade a sua fé ingênua e simples de sua personagem luminosa, que ela consegue tornar lógicos os milagres e aparições que não vemos nunca na tela.

Também a respeito de milagres tivemos, como exemplo: Os Milagres de Santo Antonio / 1909 de Antonio Serra com Erico Braga; Tragédia de Lourdes / Credo ou La Tragédie de Lourdes / 1923 de Julien Duvivier; O Milagre de Lourdes / Le Miracle de Lourdes / 1926 de B. Simon; Os Milagres de Nossa Senhora da Penha ou A Virgem da Penha e seus Milagres /1923 de Arturo Carrari com Nina Carrari e Olga Navarro; Rosas de Nossa Senhora / 1919, (2a versão em 1930) ambas de Pasquale di Lorenzo; Destino das Rosas / 1930 de Ary Severo; La Merveilleuse Tragédie de Lourdes / 1933 de Henri Fabert (com Jean-Pierre Aumont);

Os Milagres da Virgem de Lourdes / La Vierge du Rocher ou Le Drame de Lourdes / 1934 de Georges Pallu (com  Micheline Masson); La Reina del México / 1940 de Fernando Méndez; La Virgen que forjó una Pátria / 1942 de Julio Bracho (com Ramon Novarro); A Virgem Morena / La Vírgen Morena / 1947 de Gabriel Soria (com José Luis Jiménez); Fátima, Terra de Fé / 1943 de Jorge Brum do Canto; A Porta do Céu / La Porta del Cielo / 1945 de Vittorio de Sica; Senhora de Fátima / La Senora de Fatima / 1951 de Rafael Gil (com Inés Orsini); A Virgem de Fátima e, na reprise, O Milagre de Fátima / Miracle of Our Lady of Fatima / 1952 de John Brahm (com Susan Whitney).


E se os leitores tiverem fôlego para uma longa relação de santos retratados na tela, podemos citar: Santo Antonio em Antonio di Padova, Il Santo dei Miracoli / 1931 de Giulio Antamoro com Carlo Pizauti e em Santo Antonio de Padova / 1949 de Pietro Francisci com Aldo Fiorelli (e foto de Mario Bava); Santa Beatriz em A Lenda de Sóror Beatriz / La Legende de Soeur Beatrix / 1923 de Jacques de Baroncelli com Sandra Milovanoff; Santa Catarina de Sena em Caterina da Siena / 1947 de Oreste Palella com Regana de Liguoro; Santa Clara em La Tragica Notte di Assisi / 1961 de Raffaello Pacini com Leda Negrone; São Damião, o Apóstolo dos Leprososem Le Pèlerin de l’ Enfer  / 1947 de Henry Schneider com Robert Lussac e Molokai, a Ilha Maldita / Molokai / 1959 de Luis Lucia com Javier Escrivá; São Felipe de Jesus em Felipe de Jesús / 1949 de Julio Bracho com Ernesto Alonso; São Francisco Xavier no documentário Caminhos de S. Francisco Xavier / 1953 de Ricardo Malheiro; Santo Inácio de Loyola em El Capitán de Loyola / 1947 de José Diaz Morales com Rafael Durán;

Santa isabel em A Rainha Santa / La Reina Santa / 1947 de Rafael Gil com Maruchi Fresno (e Antonio Vilar como dom Diniz) e um projeto no cinema mudo de Antonio Leitão, O Milagre da Rainha;, que não foi realizado; Santo Isidoro em Isidro, El Labrador / 1964 de Rafael J. Salvia com Javier Escrivá; São João Bosco em Don Bosco / Don Bosco / 1936 de Goffredo Alessandrini com Gian Paolo Rosmino; São João  Maria Vianney, o Cura d’Ars  em O Feiticeiro do Céu / Le Sorcier du Ciel / 1949 de Marcel Blistène com  Georges Rollin (e no curta-metragem Ars / 1959 de Jacques Demy); São José de Cupertino em O Santo Relutante / The Reluctant Saint / 1962 de Edward Dmytryk com Maximilian Schell (e música de Nino Rotta); São Luis em Saint Louis, Ange de la Paix / 1950 (curta-metragem de Robert Darène com narração de Gérard Philipe); Santa Margarida de Cortona em De Pecadora a Santa / Margherita de Cortona /1949 de Mario Bonnard com Maria Frau; Santa Maria Goretti em Céu Sobre o Pântano / Cielo Sulla Palude / 1949 de Augusto Genina com Inés Orsini; Santa Maria Madalena em Maria di Magdala / 1918 de Aldo Molinaro com Ileana Leonidof, A Redenção de Maria Madalena / Redenzione / 1919 de Carmine Gallone com Diana Karenne, Maria Madalena / Maria Magdalena, pecadora de Magdala / 1945 de Miguel Contreras Torres com Medea de Novara e Maria MadalenaLa Spada e la Croce / 1958 de Carlo Ludovico Bragaglia com Yvonne de Carlo; Santa Maxência em Le Martyre de Sainte Maxence / 1927 de Donatien com Lucienne Legrand; São Miguel Garricois em L’Athlete aux Mains Nues / 1952 de Marcel Garand com Olivier Mathot; São Paulo em Le Chemin de Damas de Max Glass com Jean-MarcTenmberg;São Pedro em O Pescador da Galiléia / The Big Fisherman / 1959 de Frank Borzage com Howard Keel e no documentário Tu s Pierre / 1959 de Philippe Agostini; São Pio X em Gli Uomini non guardano el Cielo / 1952 de Umberto Scarpelli com Enrico Widon;

Santa Rosa de Lima em Rosa da AméricaRosa de America / 1946 de Alberto de Zavalia com Delia Garcés e Rosa de Lima / 1961 de José Maria Elorrieta com Maria Mahor; Santa Teresa de Ávila em Teresa de Jesus / 1961 de Juan Orduña  com Aurora Batista; São Thomas Beckett em Beckett, o Favorito do  Rei / Beckett / 1964 de Peter Glenville com Richard Burton: São Thomas Moore em O Homem Que Não Vendeu Sua Alma / A Man for All Seasons / 1966 de Fred Zinneman com Paul Scofield; Santa Ursula em La Legenda di Sant’Orsola / 1948 (curta-metragem de Luciano Emmer); São Vicente de Paulo em Monsieur Vincent, Capelão das Galeras / Monsieur Vincent / 1947 de Maurice Cloche com Pierre Fresnay; semfalar nos inúmeros filmes em que intervieram santos como, por exemplo, São Sebastião em Fabíola / Fabiola / 1949, São Pedro e São Paulo em Quo Vadis? / Quo Vadis / 1951 etc.

Para completar o quadro da hagiografia cinematográfica até o final dos anos 60, sou obrigado a mencionar algumas personalidades religiosas, que ainda não foram santificadas, tais como o nosso Padre José de Anchieta, encarnado por Thomaz Reid Valentino em Anchieta entre o Amor e a Religião / 1932  de Arturo Carrari ; o Papa João XXIII em E Venne un Uomo / 1965 de Ermano Olmi com Angelo Rossi, Giovannio Rossi e Fabrisio Rossi como Angelo Roncali respectivamente com sete, dez e quatro anos de idade e Rod Steiger como ”narrador” e sem representá-lo nas fases subsequentes à infância e à mocidade de Roncalli; o Cardeal Massaia em Abuna Messias / 1939 de Goffredo Alessandrini com Camillo Piloto e Charles de Foucauld, sobre o qual foram feitos dois filmes por Leon Poirier, L’Appel du Silence / 1936 com Jean Yonnel e La Route Inconnue / 1947 com Robert Darène.

Por curiosidade, deixei para o fim um santo peruano, São Martin de Porres, retratado em Frei Escova / Fray Escoba / 1961 de Ramon Torrado com René Muñoz e dois santos russos, Alexandre Nevsky, cuja vida inspirou o clássico Cavaleiros de Ferro / Alexsandr Nevskly / 1938 de Serguei M. Eisenstein com Nikolai Tcherkasov e Andrei Rublev, o iconista do século XV, interpretado por Anatoly Solonitsyn em Andrei Rublev, o Artista Maldito / Strasti po Andreyv / 1966 de Andrei Tarkovsky. Alexandre e Andrei eram santos, sim, mas da igreja Ortodoxa.

9 Responses to “A VIDA DOS SANTOS NO CINEMA”

  1. Embora existe uma grande história por trás da Igreja, as histórias dos Santos são bastante interessantes e sempre trazem milagres juntos.

  2. Obrigado pela visita e comentário.

  3. Infelizmente, com os dados fornecidos não posso ajudá-la.

  4. Brilhante matéria Professor A.C ! Dificilmente lemos matérias a respeito dos filmes sobre a vida dos santos e é pertinente que falemos, pois desde o surgimento do cinema, tanto a vida deles como a vida de Jesus tem sido fartamente explorada.

    Gostaria de fazer apenas umas observações e acréscimos perante este trabalho primoroso que merece meu aplauso vem como o dos demais leitores.

    A VIRGEM DE FÁTIMA (ou O MILAGRE DE FÁTIMA, conforme bem lembrado devido as reprises na TV), de 1952, se tornou, de fato um dos filmes mais populares aqui no Brasil devido as suas exibições pela televisão nos feriados de semana santa na ”Sessão da Tarde” na década de 1970 e 80 (minha geração). Contudo, no mesmo ano de seu lançamento, foi lançado também A SENHORA DE FÁTIMA, que foi uma produção realizada na Espanha que tinha o talentoso Fernando Rey no elenco. Ao contrario da seleção feita para o filme americano dirigido por John Brahm para o papel das três crianças que viram Nossa Senhora (entre elas, a SUSAN JACKSON, que decolaria como atriz adulta mais em carreira na TV), o filme de Rafael Gil escalou atores adolescentes para desempenha-las, e Inês Orsini já havia feito uma santa, Santa Maria Goretti, em O CÉU SOBRE O PÂNTANO, em 1949, sob direção de Augusto Genina

    AINDA SOBRE A VIRGEM DE FÁTIMA, produção americana de 1942, rodada em Portugal, teve a brilhante participação de GILBERT ROLAND (de fato, o primeiro nome do elenco, ao lado de ANGELA CLARK), que fez um papel fictício, o vigarista simpático Hugo dos Santos, mas que protegia as crianças que viram Nossa Senhora. Atuação engraçada e descontraída de Gilbert, mas que não agradou nada a verdadeira Lúcia dos Santos, uma das crianças visionárias de Fátima, que na época já era uma religiosa. Ela assistiu a fita de John Brahm e não gostou.

    SÃO FRANCISCO DE ASSIS, de 1962, foi o penúltimo filme do lendário Michael Curtiz, e particularmente, considero a atuação de Bradford Dillman até superior a de Graham Faulkner, em IRMÃO SOL, IRMÃ LUA, muito embora o trabalho de Zeffirelli seja o mais marcante sobre o santo de Assis. Faulkner nunca mais fez nada de notório depois, e muito embora seu desempenho não fique atrás, Dillman deu ao papel, como você mesmo falou, Mestre, um Francisco verdadeiro e humano, passando da frivolidade de um jovem embriagado pelo prazer para sua elevação espiritual. Dillman ainda vive e é viúvo da atriz e modelo Suzy Parker.

    A CANÇÃO DE BERNADETE tem um fato, no mínimo, curioso, referente a escalação da atriz que faria a Virgem Maria, que não foi nada mais e nada menos que a bela Linda Darnell, morta ao 40 anos num incêndio. O autor do romance que deu origem ao filme estrelado por Jennifer Jones, Franz Werfel, não aceitou a escalação de Darnell para o papel de Virgem Maria, devido a reputação de ninfomaníaca da atriz. Contudo o que o estúdio da 20th Century Fox fez para evitar mais atritos foi não creditar Linda na fita. Jennifer Jones, brilhante atriz que viria a provar pouco tempo depois, tinha seu lado “sacro e profano” Embora do papel de Perla Chavez no sensual DUELO AO SOL, western de King Vidor, e do seu casamento com David O’ Selznick, largando o marido beberrão Robert Walker, e de sua vida relativamente cercada de escândalos, nada fez que não deixássemos de admira-la como a Santa Bernadete, de tão convincente foi sua atuação.

    Foi mencionado FABÍOLA, que foi baseado em romance do Cardeal Nicholas Wiseman, que foi levado as telas pelo menos três vezes, inclusive a última numa versão “peplum” (ou se preferir “Sandálias & Espadas”), intitulada A REVOLTA DOS ESCRAVOS, de 1962, dirigido por Nunzio Malasomma e tinha Rhonda Fleming no papel principal. Como no filme de Alessandro Blasseti, SÃO SEBASTIÃO foi um dos personagens centrais, e se no filme estrelado por Mìchele Morgan (como Fabíola) o santo foi interpretado por Mássimo Girotti, no épico dirigido por Malasomma foi Ettore Manni a desempenhar São Sebastião, em interpretação convincente e bem máscula. Um detalhe curioso que no romance original, Fabíola não tem nenhum interesse romântico. Nestas duas versões recentes, a de 1949 e a de 1961, ambas as “Fabíolas” tinham como seus parceiros um escravo, vividos respectivamente por Henri Vidal e Lang Jeffries, este, acabando se tornando pouco depois marido de Rhonda Fleming na vida real.

    Adorei o artigo, Mestre! Um forte abraço deste seu admirador.

    PAULO TELLES
    Blog FILMES ANTIGOS CLUB ARTIGOS
    http://www.articlesfilmesantigosclub.blogspot.com.br/

  5. Professor A.C nunca tive o prazer de estudar com o senhor. Sou professor de Português e Inglês do ensino médio e ex- leitor da revista Cinemin. Adoro seu site e suas matérias são sempre informativas e deliciosas. Também colaboro ocasionalmente com o Rubens Ewald Filho desde os tempos em que o Rubens era hospedado pelo r7. Também já tive matéria minha publicada na revista de Literatura : Conhecimentos Praticos. Saiba que também me incluo entre os admiradores de suas matérias. Parabéns pelo trabalho sempre.
    Adilson

  6. Obrigado Adilson. Leitores como você enriquecem o meu blog. Dê um abraço no Rubem, por quem tenho grande admiração.

  7. Obrigado Paulo.Seus comentários, sempre pertinentes, enriquecem o meu blog.

  8. Que matéria bacana! Tanto os comentários, quanto as imagens e a seleção de filmes, lembrando preciosidades há muito esquecidas! Eu lembro vagamente de um filme chamado “Io, Caterina”, sobre Santa Catarina de Siena. Será o mesmo citado na matéria? Paz e bem!

  9. Prezado Fabio. Obrigado pelo seu comentário. Io Caterina é uma refilmagem de Catarina de Siena / 1947 feita pelo mesmo diretor, Oreste Palella, em 1957. Agradeço muito sua informação. Esquecí de citar esta refilmagem no meu artigo.

Leave a Reply