LATINOS NO CINEMA CLÁSSICO AMERICANO II

April 3, 2015
José Ferrer

José Ferrer

JOSÉ FERRER (1912-1992). Local de nascimento: San Juan, Porto Rico. Nome verdadeiro: José Vicente Ferrer de Otero y Cintrón. Estudou em um colégio interno suiço de renome, Institut Le Rosey e se formou pela Universidade de Princenton. Em 1935, estreou na Broadway e, em 1940, interpretou seu primeiro papel principal na peça “Charley’s Aunt”. Três anos depois, encarnou Iago em “Othello”, ao lado de sua primeira esposa, Uta Hagen, como Desdêmona e Paul Robeson como o Mouro de Veneza. Na temporada 1946/47 ganhou seu primeiro prêmio Tony por sua atuação como o personagem de Edmond Rostand, Cyrano de Bergerac. Ele reprisaria seu papel de Cyrano em dois filmes: o filme de 1950 dirigido por Michael Gordon, que lhe deu o Oscar de Melhor Ator e em uma refilmagem de 1964, Cyrano et D’Artagnan, dirigida por Abel Gance. No cinema, Ferrer iniciou sua carreira cinematográfica como o Delfim em Joana D’Arc / Joan of Arc / 1948, David Korvo em A Ladra / Whirlpool / 1949 e Raul Farago em Terra em Fogo / Crisis / 1950.

José Ferrer e Mala Powers em Cyrano de Bergerac

José Ferrer e Mala Powers em Cyrano de Bergerac

José Ferrer e Zas Zsa Gabor em Moulin Rouge

José Ferrer e Zas Zsa Gabor em Moulin Rouge

José Ferrer e Peter O'Toole em Lawrence da Arábia

José Ferrer e Peter O’Toole em Lawrence da Arábia

Outros papéis memorávies do ator foram: Toulouse-Lautrec em Moulin Rouge / Moulin Rouge / 1952 (recebemdo indicação para o Oscar); Reverendo Alfred Davidson em A Mulher de Satã / Miss Sadie Thompson / 1953; Tenente Barney Greenwald em A Nave da Revolta / The Caine Mutiny / 1954; Sigmund Romberg em Bem no Meu Coração / Deep in my Heart / 1954, o Capitão Alfred Dreyfus em O Julgamento do Capitão Dreyfus / I Accuse! / 1958, Turkish Bey em Lawrence da Arábia / Lawrence of Arabia / 1962, Herodes Antipas em A Maior História de Todos os Tempos / The Greatest Story Ever Told / 1965, o nazista Siegfried Rieber em A Nau dos Insensatos / Ship of Fools / 1965, o Leopold em Sonhos Eróticos de uma Noite de Verão / A Midsummer’s Night Sex Comedy / 1982 e Professor Siletski em Sou ou não Sou? / To Be or Not To Be / 1983. Além de atuar diante das câmeras, Ferrer dirigiu sete filmes: Almas em Desespero / The Shrike / 1955, Os Sobreviventes / The Cockleshell Heroes / 1955, A Luz de uma Ilusão / The Great Man / 1956, O Julgamento do Capitão Dreyfus / I Accuse! / 1958, Amor Também Subiu de Preço / The High Cost of Living / 1958, De Volta à Caldeira do Diabo / Return to Peyton Place / 1961, Feira de Ilusões / State Fair / 1962. Curiosamente, José Ferrer ficou casado com Rosemary Clooney de 1953 e 1961, divorciaram-se, e se casaram novamente, permanecendo juntos de 1964-1967.

Thomas Gomez

Thomas Gomez

THOMAS GOMEZ (1905-1971). Local de nascimento: New York City, NY, EUA. Nome verdadeiro: Sabino Tomas Gomez. De origem espanhola e maltense, estudou em uma escola pública e depois na Jamaica High School em Long Island. Terminado o curso, dedicou-se à arte dramática e ingressou em um grupo de teatro, fazendo sua estréia profissional na peça “Cyrano de Bergerac” em 1924. Após interpretar uma variedade de papéis nos próximos sete anos, ele participou de uma companhia de repertório em Cleveland, Ohio. Nos três anos em que lá permaneceu, desempenhou 40 papéis principais. Gomez então excursionou pelo país e, no ano seguinte, 1934, juntou-se aos Lunt (Alfred e Lynn Fontane), o proeminente casal de atores do teatro americano. As performances do ator no palco atrairam a atenção dos descobridores de talentos dos estúdios.

Thomas Gomez e John Garfield em A Força do Mal

Thomas Gomez e John Garfield em A Força do Mal

Thomas Gomez, Ella Raines e Franchot Tone em A Dama Fantasma

Thomas Gomez, Ella Raines e Franchot Tone em A Dama Fantasma

Robert Montgomery, Wanda Hendrix e Thomas Gomez em Do Lôdo Brotou uma Flor

Robert Montgomery, Wanda Hendrix e Thomas Gomez em Do Lôdo Brotou uma Flor

Em frente às cameras, seus papéis mais lembrados são: o do espião nazista R. F. Meade em Sherlock Holmes e a Voz do Terror / Sherlock Holmes and the Voice of Terror / 1942; o do Inspetor Burgess em A Dama Fantasma / Phantom Lady / 1944; o Rei Croesus em Uma Noite no Paraíso / Night in Paradise / 1946; Pancho em Do Lodo Brotou uma Flor / Ride the Pink Horse / 1947 (que lhe proporcionou uma indicação para o Oscar); Leo Morse em A Força do Mal / Force of Evil / 1947, Richard “Curly” Hoff em Paixões em Fúria / Key Largo / 1948, Padre Bartolomeo Romero em Capitão de Castela / Captain from Castile; e Blackbeard em A Vingança dos Piratas / Anne of the Indies / 1951; Bouglione em Trapézio / Trapeze / 1956.

Tito Guizar

Tito Guizar

TITO GUIZAR (1908-1999). Local de nascimento: Guadalajara, Jalisco, México. Nome verdadeiro: Federico Arturo Guizar Tolentino. Apesar das objeções de seu pai, ele treinou desde cedo para ser cantor e, como tal, foi para Nova York em 1929, a fim de gravar as canções de Agustín Lara. Enquanto mantinha um programa de rádio, “Tito Guizar y su Guitar”, estudou ópera. Em 1932, Guizar casou-se com a cantora mexicana, Carmen Noriega. Ele começou a cantar ópera no Carnegie Hall, mas teve mais êxito com seus arranjos de melodias populares mexicanas e espanholas tais como “Cielito Lindo”, “La Cucaracha”, “Granada e “You Belong to my Heart” (versão em inglês de “Solamente una Vez”). Em 1936, sua canção “Allá en el Rancho Grande” lançou o charro cantante (o mesmo que singing cowboy) no México, depois de aparecer em um filme do mesmo nome, que fez sucesso também nos Estados Unidos.

Tito Guizar e Esther Fernández em Allá en el Rancho Grande

Tito Guizar e Esther Fernández em Allá en el Rancho Grande

latinos II ito Gzar poster llano kid

Roy Rogers e Tito Guizar em Na Velha Senda

Roy Rogers e Tito Guizar em Na Velha Senda

Guizar havia aparecido primeiramente no cinema americano em shorts e no longa-metragem Sob o Luar dos Pampas / Under the Pampas Moon / 1935 como um cantor de cabaré (no qual também se exibia Rita Cansino). Sem deixar de filmar no México, ele continuou sua carreira holywoodiana com: Folia a Bordo / The Big Broadcast of 1938 / 1938, Feitiço do Trópico / Tropic Holiday / 1938, Teatro Flutuante / St. Louis Blues / 1939, Bandoleiro Romântico / The Llano Kid / 1939, Brasil / Brazil / 1944 (no qual estava também Aurora Miranda), Mexicana / Mexicana / 1945, Romance no Rio / The Thrill of Brazil / 1947, Na Velha Senda / On the Old Spanish Trail / 1948 e Aconteceu no Sertão / The Gay Ranchero / 1948, os dois últimos ao lado de outro cowboy cantor: Roy Rogers. Tito esteve no Brasil em junho de 1940 para o lançamento de seu filme O Trovador Galante / El Trovador de la Radio / 1938 no Cinema Gloria. Nessa ocasião, apresentou-se no Cassino da Urca com a orquestra de Francisco Canaro e do Trio Titan de acrobatas americanos.

José Iturbi

José Iturbi

JOSE ITURBI (1895-1980). Local de nascimento: Valencia, Espanha. Nome verdadeiro: José Iturbi Báguena. De ascendência Basca e filho de um fabricante e afinador de pianos como passatempo, o jovem Jose teve acesso ao instrumento desde muito cedo. Aos 11 anos de idade estava estudando piano no Conservatório de Valencia com Joaquín Malats, amigo de Albéniz, que se entusiasmou com o talento do rapaz. Aos 15 anos, Iturbi estudou no Conservatório de Paris com Victor Staub. Ele obteve o primeiro prêmio em 1912 e, após a Primeira Guerra Mundial, de 1919 a 1923, exerceu o cargo de professor no Conservatório de Genebra. Nessa mesma época, teve aulas particulares de técnica de teclado e interpretação com a cravista Wanda Landowska. Depois de fazer várias tournées internacionais, Iturbi estreou na América em 1919, na Philadelphia Orchestra sob a regência de Leopold Stokowski, tocando um concerto para piano de Beethoven. Entretanto, sua ambição era tornar-se maestro, e fez sua primeira apresentação nesta qualidade na Cidade do México em 1933, prosseguindo desde então uma carreira como pianista e regente, conduzindo grandes orquestras internacionais. Persuadido pelo produtor Joe Pasternack a participar dos musicais da MGM, adaptou-se facilmente ao novo meio.

Kathryn Grayson e José Iturbi em A Filha do Comandante

Kathryn Grayson e José Iturbi em A Filha do Comandante

Cartaz de Três Filhas Levadas

Cartaz de Três Filhas Levadas

Comumente interpretando o papel dele mesmo, Iturbi integrou o elenco de: A Filha do Comandante / Thousands Cheer / 1943, Duas Garotas e um Marujo / Two Girls and a Sailor / 1944, Música para Milhões / Music for Millions / 1944, Marujos do Amor / Anchors Aweigh / 1945, Romance no México / Holiday in Mexico / 1946, Três Filhas Levadas / Three Daring Daughters / 1948, Aquele Beijo à Meia-Noite / That Midnight Kiss /1949. A irmã de Iturbi, Amparo, também era uma pianista talentosa, que atuou com ele em dueto nos seus recitais bem como em três dos musicais da MGM (Duas Garotas e um Marujo, Romance no México e Aquele Beijo à Meia-Noite). Sem ser creditado, Iturbi dublou os solos de piano em Sinfonia Trágica / Song of my Heart / 1948, um filme sobre Tchaikovsky. O problema com José Iturbi é que ele não era levado a sério como pianista, porque apareceu em filmes. Outros grandes pianistas fizeram o mesmo, por exemplo Arthur Rubinstein e Jan Paderewski, mas a diferença é que Iturbi tocou jazz e boogie-woogie, embora de uma maneira elegante.

Katy Jurado

Katy Jurado

KATY JURADO (1924-2002). Local de nascimento: Guadalajara, Jalisco, México. Nome verdadeiro: Maria Cristina Estela Marcela Jurado Garcia. Seu pai era um barão de gado e plantador de laranjas e sua mãe, conhecida cantora de ópera, que desistiu da carreira artística para se dedicar ao lar. Katy estudou jornalismo mas, quando tinha dezesseis anos de idade, foi descoberta pelo diretor Emilio Fernández, que queria colocá-la no elenco de um de seus filmes (La Isla de la Pasión); porém a avó da jovem não queria que ela se tornasse atriz. Ela então se casou com um ator mexicano, Victor Velázquez, para se livrar da proibição, e começou a trabalhar no cinema mexicano em No Matarás / 1943, fazendo 19 filmes (destacando-se La Vida Inútil /1943, Nosotros los Pobres /1948 e El Seminarista / 1949) antes de chamar a atenção do diretor Budd Boetticher e do ator John Wayne em uma praça de touros pois, além de atuar como atriz, Katy trabalhava como colunista de cinema, repórter de rádio e comentarista de touradas. Boetticher colocou-a em Paixão de Toureiro / Bullfighter and the Lady / 1951 como Chelo, a esposa de Manolo Estrada (Gilbert Roland), um ex-grande matador. Seu desempenho despertou o interesse do produtor Stanley Kramer, que a incluiu no elenco do western Matar ou Morrer / High Noon / 1952, estrelado por Gary Cooper e Grace Kelly.

Pedro Armendáriz e Katy Jurado em O Bruto

Pedro Armendáriz e Katy Jurado em O Bruto

Katy Jurado, Grace Kelly e Gary Cooper em um intervalo da filmagem de Matar ou Morrer

Katy Jurado, Grace Kelly e Gary Cooper em um intervalo da filmagem de Matar ou Morrer

Katy teve uma performance poderosa como a dona do saloon Helen Ramirez, ex-amante do xerife Will Kane, ganhou Golden Globe Award como Melhor Atriz Coadjuvante, e ficou amplamente conhecida na indústria cinematográfica americana. Apesar de seu sucesso em Hollywood, Katy continuou a fazer filmes no México, destacando-se O Bruto / El Bruto / 1953 de Luis Buñuel com Pedro Armendáriz e, mais tarde, Fé, Esperanza y Caridade / 1973 de Jorge Fons). Em 1954, Katy substituiu Dolores del Rio em A Lança Partida / Broken Lance e recebeu uma indicação para o Oscar no papel da mulher comanche do personagem interpretado por Spencer Tracy.

Spencer Tracy e Katy Jurado em A Lança Partida

Spencer Tracy e Katy Jurado em A Lança Partida

No mesmo ano, fez outro papel de mulher comanche em O Último Guerreiro / Arrowhead com Charlton Heston e Jack Palance. Em 1955, foi indicada para o Golden Globe Award de Melhor Atriz Coadjuvante por sua atuação em A Fúria dos Justos / Trial ao lado de Glenn Ford. Posteriormente, participou de uma série de westerns entre os quais se salientam Blefando a Morte / Man from Del Rio / 1956 com Anthony Quinn, Homens das Terras Bravas / The Badlanders / 1958 com Alan Ladd e Ernest Borgnine (seu segundo marido) e A Face Oculta / One-Eyed Jacks / 1961 com Marlon Brando. Outros filmes importantes no seu itinerário artístico foram: Caminhos sem Volta / The Racers / 1955, Trapézio / Trapeze / 1956, Barrabás / Barabbas / 1961, Pat Garrett e Billy the Kid / Pat Garrett and Billy the Kid / 1973 e À Sombra do Vulcão / Under the Volcano / 1984, encerrando uma longa carreira no ano de sua morte com um filme mexicano, Un Secreto de Esperanza / 2002.

Fernando lamas

Fernando Lamas

FERNANDO LAMAS (1915-1982). Local de nascimento: Buenos Aires, Argentina. Nome verdadeiro: Fernando Álvaro Lamas y de Santos. Estudou arte dramática no colégio em sua terra natal e depois se matriculou no curso de Direito. Porém sua forte tendência para o esporte prevaleceu e ele abandonou os estudos, a fim de praticar vários, tornando-se o Campeão Sul-Americano de Natação em Estilo Livre de 1937. Depois de ter feito 14 filmes na Argentina entre 1942 e 1949 (v.g. A Vítima do Destino / La Rubia Mireya / 1948) , a publicidade proporcionada por suas façanhas esportivas despertaram o interesse de Hollywood e, em 1951, Lamas assinou contrato com a MGM, onde fez seus filmes mais conhecidos: A Viúva Alegre / The Merry Widow / 1952 com Lana Turner, A Jovem que tinha Tudo / The Girl who had Everything / 1953 com Elizabeth Taylor,

Captura de Tela 2015-08-16 às 17.36.10

Lana Turner e Fernando Lamas em A Viúva Alegre

Lana Turner e Fernando Lamas em A Viúva Alegre

Esther Williams e Fernando Lamas em Salve a Campeã

Esther Williams e Fernando Lamas em Salve a Campeã

Salve a Campeã / Dangerous When Wet / 1953 com Esther Williams, Rose Marie / Rose Marie / 1954 com Ann Blyth. Lamas trabalhou ainda, em outras companhias, com Arlene Dahl (Sangari / Sangaree / 1953, O Caçador de Diamantes / The Diamond Queen / 1953), Rhonda Fleming (O Tesouro Perdido do Amazonas / Jivaro / 1954) e Rosalind Russell (Cassino das Tentações / The Girl Rush / 1955); dirigiu e atuou em La Fuente Magica / 1963 (com Esther Williams) e em Turba em Fúria / The Violent Ones /1967; interpretou o papel do General Verdugo em 100 Rifles / 100 Rifles / 1969. Seu último filme no cinema foi O Detetive Desastrado / The Cheap Detective / 1978, protagonizado por Peter Falk. Lamas foi casado com Arlene Dahl e Esther Williams.

Margo

Margo

MARGO (1917-1985). Local de nascimento: Mexico City, México. Nome verdadeiro: María Marguerita Guadalupe Teresa Estela Bolado Castilla y O’Donnell. Nascida no México mas criada nos Estados Unidos, Margo aprendeu dança com Eduardo Cansino, pai de Rita Hayworth e, com a idade de dez anos, iniciou sua carreira profissional, dançando e cantando em associações de várias comunidades. Sua tia, Camen Castillo, casou-se com Xavier Cugat e Margo se juntou a eles na banda de Cugat onde, durante um ano e meio, eles tocaram no Waldorf-Astoria em Nova York. Ela foi descoberta por um descobridor de talentos e estreou no cinema aos dezesseis anos, interpretando Carmen Brown, a amante rejeitada do advogado de meia-idade (Claude Rains) em Crime sem Paixão / Crime Without Passion / 1934.

Margo, o fotógrafo J. Peverell Marley e Burgess Meredithna filmagem de Os Predestinados

Margo, o fotógrafo J. Peverell Marley e Burgess Meredithna filmagem de Os Predestinados

Margo e John Howard em Horizonte Perdido

Margo e John Howard em Horizonte Perdido

Margo e Anthony Quinn em Viva Zapata!

Margo e Anthony Quinn em Viva Zapata!

Seus outros filmes foram: Rumba / Rumba / 1935, O Bandoleiro do Eldorado / Robin Hood of Eldorado / 1936, Os Predestinados / Winterset / 1936, Horizonte Perdido / Lost Horizon / 1937 (inesquecível como Maria, a jovem que murcha e morre como uma velha centenária, quando tenta fugir do vale idílico de Shangri-La), Miracle on Main Street / 1939, O Homem-Leopardo / Leopard Man / 1943 (como Clo-Clo, tocando castanholas pelas ruas escuras, antes de perecer nas mãos do assassino), Atrás do Sol Nascente / Behind the Rising Sun / 1943, Um Drama em Cada Vida / Gangway for Tomorrow /1943, Viva Zapata! / Viva Zapata! /1952, Eu Chorarei Amanhã / I’ll Cry Tomorrow / 1955, Caçada Humana / From Hell to Texas /1958 e Ela Topou a Parada / Who’s Got d the Action? / 1962. Margo foi casada com Francis Lederer e Eddie Albert.

Mona Maris

Mona Maris

MONA MARIS (1903-1991). Local do nascimento: Buenos Aires, Argentina. Nome verdadeiro: Rosa Emma Mona Maria Marta Capdevielle. A posição social de sua família ensejou-lhe uma educação de qualidade com ênfase em idiomas estrangeiros. Ela estudou na França, onde morava sua avó e, quando irrompeu a Primeira Guerra Mundial, serviu como enfermeira. Posteriormente, foi para a Inglaterra, onde fez dois filmes, O Apache / The Apache / 1925 e The Little People / 1927. Depois, atuou em cinco filmes na Alemanha (Perfumes, Flores e Beijos / Der Fuerst von Papenheim / 1927, Os Escravos do Volga / Die Liebeigner / 1928, O Espião da Pompadour / Der Marquis von Eon / 1928, Rutschbahn / 1931, Die Drei Frauen von Urban Hell / 1928 e um na França (La Bonne Hotesse / 1928) até que Joseph Schenck da Fox levou-a para Hollywood.

Warner Baxter e  Mona Maris em Arizona Kid

Warner Baxter e Mona Maris em Arizona Kid

Mona Maris e Carlos Gardel em O Amor Obriga

Mona Maris e Carlos Gardel em O Amor Obriga

Em 1929, ela foi contratada para contracenar com Warner Baxter em Romance do Rio Grande / Romance of the Rio Grande / 1929 no papel de Manuelita. Em seguida fez na Warner, Don Juan do México / Under a Texas Moon / 1930 e voltou à Fox, para estar de novo com Warner Baxter em Arizona Kid / The Arizona Kid / 1930. Mona foi então aproveitada em versões em espanhol de filmes americanos (Loucuras de um Beijo / El Precio de un Beso, v.esp. de One Mad Kiss / 1930; Argila Humana / Del Mismo Barro, v.esp. de The Common Clay / 1930; O Domador de Mulheres / Ladron de Amor ou Cuando El Amor Rie, v.esp. de Love Gambler / 1931 com José Mojica; Salve-se Quem Puder, v. esp. de The Passsionate Plumber / 1932 com Buster Keaton; Cavalheiro da Noite / El Caballero de la Noche, v.esp. de Dick Turpin com José Mojica; Não Deixes a Porta Aberta / No Dejes la Puerta Abierta, v. esp. de Pleasure Cruise) e em filmes originariamente falados em espanhol (Uma Viúva Romântica / Una Viuda Romantica / 1933; Melodia Proibida / La Melodia Proibida / 1933 com José Mojica; O Eterno Triângulo / Yo, Tu y Ela / 1934; O Amor Obriga / Cuesta Abajo / 1934 com Carlos Gardel

MOna Maris e José Mojica em Capitão dos Cossacos

Mona Maris e José Mojica em Capitão dos Cossacos

Capitão dos Cossacos / Un Capitan de Cosacos /1934 com José Mojica; Símbolo Materno / Tres Amores / 1935; O Cantor de Nápoles / El Cantante de Napoles / 1935 com Enrico Caruso Jr. ; Asegure a su Mujer / 1935 com Raoul Roulien). Entre os filmes restantes da atriz sobressaem: Sob as Ondas / The Seas Beneath /1931, sob direção de John Ford; O Terror dos Bandidos / South of the Rio Grande / 1932 com Buck Jones; Segredos / Secrets / 1933, estrelado por Mary Pickford; dois filmes da série The Falcon (Um Encontro com o Falcão / A Date with the Falcon / 1942 e O Mistério do Morto / The Falcon in Mexico / 1944; alguns filmes de guerra (vg. A Voz da Liberdade / Underground / 1941, Correspondente em Berlim / Berlin Correspondent / 1942); O Falcão do Deserto / The Desert Hawk / 1944; A Vingança de El Mocho / The Avengers / 1954. Mona fez ainda dois filmes na Argentina: Uma Mulher Chamada Margarida / La Mujer de las Camelias / 1954 e Camila / Camilla /1984, indicado para o Oscar de Melhor Filme de Língua Não-Inglesa.

Ricardo Montalban

Ricardo Montalban

RICARDO MONTALBAN (1920-2009). Local de nascimento: Mexico City, México. Nome verdadeiro: Ricardo Gonzalo Pedro Montalban y Merino. Filho de imgrantes espanhóis, cresceu em Torreón e, ainda adolescente, mudou-se para Los Angeles a fim de viver com um de seus irmãos, Carlos. Ricardo terminou seus estudos na Fairfax High School e atuou em produções da escola. Em 1940, os dois foram para Nova York, onde Ricardo obteve um pequeno papel na peça “Her Cardboard Lover”. Em 1941, ele apareceu em musicais de três minutos produzidos pela Soundies Distributing Corporation of America e vistos nas jukeboxes. Ricardo era usualmente extra ou membro do côro, com uma exceção: ele interpretou o papel principal em He’s a Latin from Staten Island / 1941, mas apenas fazendo uma pantomima enquanto tocava o disco gravado por Gus Van. Ao saber que sua mãe estava morrendo, Montalban retornou ao México, onde fez 13 filmes mexicanos (entre eles, Santa – O Destino de uma Pecadora / 1943 com Esther Fernandez (o filme que ficou 27 semanas em cartaz no Brasil e Sombra Verde / 1954 com Ariadna Welter) e se tornou um astro na sua terra natal, apelidado de “o Tyrone Power do México”.

Captura de Tela 2015-08-11 às 16.11.50

CYd Charisse, Esther Williams, John Carroll e Ricardo Montalban em Festa Brava

CYd Charisse, Esther Williams, John Carroll e Ricardo Montalban em Festa Brava

Esther Williams e Ricardo Montalban em A Filha de Netuno

Esther Williams e Ricardo Montalban em A Filha de Netuno

Ricardo Montalban e Lana Turner em Meu Amor Brasileiro

Ricardo Montalban e Lana Turner em Meu Amor Brasileiro

Fazendo sua estréia na MGM em Hollywood como um toureiro e irmão gêmeo de Esther Williams Festa Brava / Fiesta / 1946, ele atraiu imediatamente a atenção do público, dando ensejo à sua integração no elenco de outras comédias musicais (Numa Ilha com Você / On an Island with You / 1948, Beijou-me um Bandido / The Kissing Bandit / 1948, A Filha de Netuno / Neptune’s Daughter / 1949, Quando Canta o Coração / Two Weeks with Love / 1950, Meu Amor Brasileiro / Latin Lovers / 1953).

Ricardo Montalban em

Ricardo Montalban em A Noite de 23 de Maio

Ricardo Montalban em Assim são os Fortes

Ricardo Montalban em Assim são os Fortes

Entre a penúltima e a última comédia musical, Montalban atuou em dois excelentes filmes noires (Mercado Humano / Border Incident /1949 e A Noite de 23 de Maio / Mystery Street / 1950) e no igualmente ótimo filme de guerra, O Preço da Glória / Battleground / 1949). Em 1951, ele era o índio Ironshirt, um papel marcante em outra obra de valor, Assim são os Fortes / Across the Wide Missouri; porém depois seus filmes foram menos expressivos.Entretanto, ele marcou sua presença como o Nakamura de Sayonara / Sayonara / 1957, o Padre Raspi em O Santo Relutante / The Reluctant Saint / 1962, o Little Wolf de Cheyenne Autumn / 1964 ou o Vittorio Vitale de Charity, Meu Amor / Sweet Charity /1969, embora nenhum de seus papéis no cinema pudesse sobrepujar em termos de popularidade o seu Mr. Roarke da série de televisão, A Ilha da Fantasia / Fantasy Island (1977-1984).

Conchita Montenegro

Conchita Montenegro

CONCHITA MONTENEGRO (1911-2007). Local de nascimento: San Sebastian, Espanha. Nome verdadeiro: Concepción Andrés Picado. Educada em um convento em Madrid, trabalho primeiro profissionalmente como modelo para o famoso pintor Ignacio Zuloaga y Zabaleta. Durante a infância, ela aprendeu dança clássica e espanhola. Conchita fez seus primeiros filmes na Espanha (Sortilegio / 1927, Rosa de Madrid / 1927) e França (A Mulher e o Fantoche / La Femme et le Pantin / 1929 de Jacques de Baroncelli). Chegou em Hollywood, contratada pela MGM, que a colocou em versões espanholas de filmes americanos (Sevilha de Mis Amores / v.esp. de Call of the Flesh / 1930 (só passou aquí na cabine da MGM em sessão reservada); Ordinário! …Marche! / De Frente Marchen / v.esp. de Doughboys / 1930; En Cada Puerto un Amor / v.esp. de Way of a Sailor / 1931; Sua Última Noite / Su Ultima Noche / v.esp. de The Gay Deceiver / 1931);

Conchita Montenegro e Buster Keaton em Ordinário!...Marche!

Conchita Montenegro e Buster Keaton em Ordinário!…Marche!

latinos II Conchita Montenegro poster

latinos II Conchita Montenegro Granaderos psoter

COnchita Montengro e Edmund Lowe em O Galante Aventureiro

Conchita Montengro e Edmund Lowe em O Galante Aventureiro

como uma dançarina espanhola em Beijos a Esmo / Strangers May Kiss / 1931 e como Tamea, uma nativa dos Mares do Sul, ao lado de Leslie Howard em Delírio de Amor / Never the Twain Shall Meet /1931. Transferindo-se para a Fox, Conchita fez, entre outros, filmes hablados en español com José Mojica (Príncipe sem Amor / Hay Que Casar al Principe / 1931, Melodia Proibida / La Melodia Proibida / 1933) e Raoul Roulien (Granadeiros do Amor / Granaderos del Amor / 1934, Assegure a su Mujer / 1936) e O Galante Cavaleiro / The Cisco Kid / 1931 com Warner Baxter e Idilio na Fronteira / The Gay Caballero / 1932 com George O’Brien. O que Conchita fez de mais importante no resto de sua carreira foi Caravane / 1934, de Erik Charrell, versão francesa de Paixão de Zíngaro / Caravan, Eternas Melodias – A Vida de Mozart / Melodie Eterne de Carmine Gallone / 1940, e O Grito da Mocidade / 1940, ao lado de seu marido Raul Roulien, também diretor do filme.

Maria Montez

Maria Montez

MARIA MONTEZ (1912-1951). Local de nascimento: Barahona, República Dominicana. Nome verdadeiro: María Africa García Vidal. Filha de Isidoro Gracia García, exportador de madeira e Vice-Consul Honorário da Espanha na República Dominicana, foi educada no Convento to Sagrado Coração em Santa Cruz de Tenerife. Desde criança, Maria demonstrou que queria ser atriz. Ela aprendeu ingles autodidaticamente, ouvindo canções e lendo publicações americanas. Em 23 de novembro de 1932, Maria casou-se com o banqueiro irlandês William McFeeters. O casamento durou sete anos e, após o divórcio, Maria partiu para Nova York, onde obteve seu primeiro emprego como modelo, posando para a capa de uma revista.

Maria Montez e Jon Hall em As Mil e uma Noites

Maria Montez e Jon Hall em As Mil e uma Noites

Retratada por McCleland Barclay, pintor especializado na pin-up art, recebeu muitas ofertas de trabalho. Certo dia recebeu um telefonema de George Schaefer, alto executivo da RKO, convidando-a para um teste, mas ela acabou aceitando uma proposta da Universal. Maria escolheu o nome de Maria Montez em homenagem à dançarina Lola Montez, que seu pai admirava. Reporto-me, daquí em diante, à minha postagem “Escapismo em Glorioso Technicolor”, onde já tracei um breve resumo da carreira cinematográfica de Maria Montez, dispensando-me de repetir os mesmos dados.

Sarita Montiel

Sarita Montiel

SARITA MONTIEL (1928-2013). Local de nascimento: Campo de Criptana, Ciudad Real, Espanha. Nome verdadeiro: María Antonia Abad Fernández. Filha de um lavrador, desde muito pequena se destacou por sua beleza e seus dotes artísticos, os quais impressionaram Don Vicente Casanova, influente agricultor e dono de uma companhia de publicidade. Este a ouviu cantar durante uma procissão da Semana Santa e cuidou para que a jovem estudasse declamação e canto. A partir de 1944, Sarita fez filmes na Espanha, sobressaindo Don Quichote de la Mancha / 1947 e Delírio de Amor / Locura de Amor / 1948. Graças ao êxito de Delírio de Amor, ela chamou a atenção da indústria cinematográfica do México e imediatamente se transformou em uma das estrelas deste país, onde filmou mais uma dezena de produções, entre as quais se destacaram: Encarceradas / Carcél de Mujeres / 1951, Luta de Almas / El Capitán Veneno / 1951 e O Modelador de Almas / Piel de Canela / 1953.

Sarita Montiel em O Modelador de Almas

Sarita Montiel em O Modelador de Almas

Sarita Montiel e Gary Cooper em Vera Cruz

Sarita Montiel e Gary Cooper em Vera Cruz

Cartaz de Renegando o meu Sangue

Cartaz de Renegando o meu Sangue

Finalmente, em 1954, a Hetch-Lancaster Productions apresentou-a ao público americano e mundial em Vera Cruz / Vera Cruz de Robert Aldrich, contracenando com Gary Cooper, Burt Lancaster e Cesar Romero. Nos Estados Unidos, Sarita fez ainda Serenata / Serenade / 1956 e Renegando o meu Sangue / Run of the Arrow /1957, dirigidos respectivamente por Anthony Mann (com quem ela se casou) e Samuel Fuller. Entre um e outro dos filmes citados, foi à Espanha e abriu caminho para uma nova carreira no cinema espanhol com A Última Canção / El Último Cuplé / 1957, melodrama musical dirigido por Juan de Orduña, que iniciou um ciclo de muito sucesso, no qual se incluiram outros trabalhos da atriz como La Violetera / La Violetera / 1958, Mi Último Tango / Meu Último Tango / 1960, Sublime Melodia / Pecado de Amor / 1961, A Bela Lola / La Bella Lola / 1962 e A Rainha do Chantecler / La Reina del Cnantecler / 1962.

latinos II la violetera poster

latinos II Sarita Montiel el ltimo cupleEntre seus derradeiros filmes um se destaca por sua curiosidade: Samba / Samba / 1965, co-produção hispano-brasileira em Eastmancolor, dirigida por Rafael Gil, com Sarita Montiel em um papel duplo: a cantora Laura Monteiro e sua sósia, uma garota da favela chamada Belén. Laura é assassinada no seu camarim por seu antigo protetor (Fosco Giachetti), porque ele soube de seu caso de amor com Assis (Carlos Alberto); no decorrer da trama, Belén assume a identidade de Laura, sem saber que está sendo usada por uma bando de contrabandistas de jóias costuradas em fantasias de Carnaval. Antonio Pitanga, Grande Otelo e outros atores brasileiros estão no elenco e na trilha sonora ouve-se “Bahia”, “Caminhemos, “Na Baixa do Sapateiro”, “Ninguém me Ama”, “Aquarela do Brasil”.

Antonio Moreno

Antonio Moreno

ANTONIO MORENO (1887-1967). Local de nascimento: Madrid, Espanha. Nome verdadeiro: Antonio Garrido Monteagudo. Levado por dois turistas, emigrou para os Estados Unidos aos 14 anos de idade, e fixou residência em Massachusetts, onde completou sua educação. Moreno tornou-se ator de teatro em produções regionais e, em 1912, contratado pela Biograph, rumou para Hollywood, iniciando sua carreira como figurante ou interpretando pequenos papéis em inúmeros filmes curtos. Seu primeiro filme, personificando um índio, foi Iola’s Promise / 1912, estrelado por Mary Pickford e dirigido por D.W. Griffith. Em 1918-1920, depois de fazer um seriado com Pearl White, A Casa do Ódio / The House of Hate, na Astra-Pathé, ele estrelou seriados da Vitagraph (A Máscara Sinistra / The Iron Test / 1918, Precipícios do Ódio / Perils of Thunder Mountains / 1919, A Mão Invisível / The Invisible Hand / 1920, O Véu Misterioso / The Veiled Mystery / 1920) e logo se tornou um ídolo das matinês muito estimado, frequentemente estereotipado como o “Latin Lover”, tal como outros atores da época com raízes latina como Ramon Novarro e Rudolph Valentino.

Antonio Moreno e Gloria Swanson em Minha Esposa Modelo

Antonio Moreno e Gloria Swanson em Minha Esposa Modelo

Antonio Moreno e AliceTerry em Nare Nostrum

Antonio Moreno e AliceTerry em Nare Nostrum

Greta Garbo e Antonio Moreno em Terra de Todos

Greta Garbo e Antonio Moreno em Terra de Todos

Antonio Moreno em Rastros de Ódio

Antonio Moreno em Rastros de Ódio

No início dos anos vinte, Moreno ingressou na Famous Players de Jesse Lasky, e se tornou um de seus artistas mais bem pagos. Em 1922 contracenou com Gloria Swanson em Minha Esposa Modelo / My American Wife e, em 1926, com Alice Terry em Mare Nostrum / Mare Nostrum e com Greta Garbo em Terra de Todos / The Temptress. No ano seguinte, estava ao lado de Clara Bow em O Não Sei Quê das Mulheres / It , um sucesso enorme de bilheteria. Com o advento do cinema falado, embora continuando a trabalhar em hablados en español (entre eles, três com a espanhola Catalina Bárcena: Primavera de Outono / 1934, La Ciudad de Cartón /1934, Señora Casada Necesita Marido / 1935) e outros filmes americanos, Moreno começou a aceitar papéis em produções mexicanas. Ele também dirigiu quarto filmes no México, inclusive o drama Santa / 1932, o primeiro filme falado deste país. A partir dos meados dos anos trinta, Moreno passou a ser coadjuvante, aparecendo em inúmeros filmes americanos (vg. Chief Cochise em O Vale do Sol / Valley of the Sun / 1942; Don Francisco de Vega em O Capitão de Castela / Captain of Castile; Jose De Vasques em A Marca do Renegado / The Mark of the Renegade / 1951; Chief Dark Cloud em Pacto de Honra / Saskatchewan / 1954 e Emilio Gabriel Fernandez y Figueroa na obra-prima de John Ford, Rastros de Ódio / The Searchers / 1956).

Leave a Reply