SERIADOS MUDOS AMERICANOS

August 18, 2011

O seriados estavam entre as primeiras tentativas de desenvolver narrativas mais longas e complexas e serviram como uma ponte útil entre o filme curto e o filme de longa-metragem. Por um período relativamente curto de 17 anos, de 1913 a 1930, eles cativaram o público da cena silenciosa, tanto o infantil quanto o adulto, preenchendo sua única finalidade: divertir as massas, oferecendo-lhes um puro escapismo.

Os serials nasceram da competição entre as empresas jornalísticas para aumentar as circulações de seus jornais e revistas.  What Happened to Mary? / 1912, considerado o precursor dos seriados, surgiu como resultado de um acordo entre a revista The Ladies’ World da McClure e a Edison Company, para a realização de um série de filmes de um rolo, que seriam lançados simultaneamente com a publicação de um grupo de histórias contendo os mesmos enredos. A capa da revista anunciava: “Cem dólares para você, se adivinhar o que aconteceu com Mary”. Estrelado por Mary Fuller, a série apresentava grande quantidade de ação física excitante nos seus 12 episódios de um rolo porém não havia a conexão necessária entre os segmentos, daí porque não pode ser classificada como serial mas sim como series.

As Aventuras de Catarina / The Adventures of Kathlyn / 1913, com Kathlyn Williams, este sim, é que pode ser considerado o primeiro seriado, com um fio narrativo continuando diretamente de um episódio para o seguinte, semana após semana, cada episódio terminando com um lance em que o mocinho ficava numa situação de perigo, do qual normalmente não conseguiria escapar (“cliff-hanger”), fazendo com que os espectadores aguardassem ansiosos o próximo capítulo. O jornal The Chicago Tribune fez o inverso da Ladies’ World: serializou no papel esta produção da Selig Polyscope, como meio de aumentar suas vendas. O filme não alcançou um êxito estrondoso mas o Chicago Tribune obteve um aumento de dez por cento na sua circulação em consequência dele.

Com os mesmos propósitos da McClure e do Chicago Tribune, William Randolph Hearst produziu, através dos irmãos Wharton, As Aventuras de Elaine / The Perils of Pauline / 1914 (com capítulos completos e não “cliff-hangers” devendo por isso ser classificado como série e não seriado), que foi estrelado por Pearl White, sendo distribuído pela Eclectic  da Pathé.

Charles Pathé havia começado a produção de filmes nos Estados Unidos em 1910,  primeiro em várias locações e depois nos estúdios em Jersey City perto de Bound Brook e Edendale, na California. Westerns e algumas comédias foram feitos em ambos os estúdios porém a companhia só conquistou uma posição segura no mercado americano com a aquisição da Eclectic e de seu sistema de distribuição nacional. A certa altura de sua existência, a Pathé passou a comprar seriados de companhias produtoras independentes ou subsidiar pequenas firmas, adiantando a quantia necessária para o início das produções, tudo sob o controle de qualidade do seu Comitê do Filme (Film Committee).

Entre suas primeiras fornecedoras de seriados estavam a Balboa e a Astra. Tecnicamente, o produto da Balboa, (fundada em 1913 em Long Beach, Califórnia por H. M. Horkheimer) era de boa qualidade porém no que dizia respeito aos valores de produção, histórias e aspecto dramático deixavam muito a desejar. A Balboa forneceu apenas quatro seriados para a Pathé. Uma produtora mais importante foi a Astra (formada em 1916 por Louis J. Gasnier, George B. Seitz, Edward Jose e George Fitzmaurice), que produziu dez seriados para a Pathé, ajudando-a a se firmar como líder na distribuição deste tipo de filme.

Entre os outros fornecedores da Pathé (Diando, Brunton e Western Photoplay) destacavam-se os imãos Wharton, Theodore e Leopold.  Sob vários nomes (Star Company, Feature Film Company, International Film Service e Wharton Inc.) eles produziram sete seriados, incluindo quatro com Pearl White e o famoso Patria / Patria / 1917 com Irene Castle, a parceira de dança  e irmã de Vernon Castle.

A entrada da Universal no campo do seriado foi ditada pela imediata aceitação pelo público de As Aventuras de Elaine mas se a Pathé tentava elevar o nível artístico de seus seriados, a companhia de Carl Laemmle não se preocupava com nenhuma forma de controle de qualidade. O primeiro seriado da Universal foi uma expansão de um western de dois rolos intitulado A Rapariga Misteriosa Lucille Love, Girl of Mystery / 1914 com Francis Ford e Grace Cunnard nos papéis principais, formando uma dupla que funcionaria em quatro chapter plays, dos quais o mais famoso foi A Moeda Quebrada / The Broken Coin / 1915.

A Vitagraph chegou a uma posição de proeminência atrás da Universal durante algum tempo. Seu primeiro seriado foi uma paródia da histórias de detetives em três episódios, intitulada The Fates and Flora Fourflush / 1915. A Vitagraph gastou tanto dinheiro com o próximo seriado da companhia, A Deusa The Goddess / 1915, anunciado como “a suprema realização no mundo dos seriados”, que se passaram dezoito meses antes que o seriado seguinte, The Scarlet Runner / 1916, pudesse ser exibido. Em 1917, Antonio Moreno e William Duncan tornaram-se os astros principais da companhia, levando muitos espectadores ao cinema. Duncan especializou-se em seriados passados em exteriores com um sabor de western e Moreno fazia seriados de mistério. As façanhas fílmicas desses dois astros mantiveram a Vitagraph no campo dos seriados até o final de 1921.

Entre as outras firmas que fizeram seriados (Thanhauser, American, Mutual, Lubin, Reliance), a Kalem foi a mais importante, tendo sido a produtora da série (porque continha capítulos completos e não “cliff-hangers”) mais longa (119 episódios de um rolo) e mais popular, Façanhas de Helen / The Hazards of Helen / 1914, cuja protagonista foi primeiramente interpretada por Helen Holmes e depois por Helen Gibson.

Um número representativo de seriados foram produzidos por pequenas companhias independentes (Great Western, Beacon, Burston, Hallmark, Canyon, etc.), das quais se destacavam três: Arrow, Rayart e a Mascot. A Arrow, formada pelos irmãos Shallenberger, logo alcançou uma posição de relevância. Os irmãos Shallenberger ingressaram no negócio cinematográfico com uma ativa participação na  Thanhouser Company, produtora do seriado de muito sucesso O Mistério de Um Milhão de Dólares / The Million Dollar Mystery / 1914. Os Shallenberger perceberam o valor financeiro de um seriado bem feito e fundaram a Arrow.

Enquanto estavam filiados à Thanhouser, o destino dos Shallenberger se misturou com o de W. Ray Johnston, um jovem que iria aumentar o valor dos seriados como uma forma de entretenimento e gerador de lucros. Quando a Thanhouser cessou suas atividades, Johnston se juntou aos irmãos Shallenberger na Arrow e logo se tornou vice-presidente da empresa. Em 1914, Johnston sentiu que sua experiência era suficiente para deixar a Arrow e fundar a sua própria companhia, Rayart, inaugurando seu programa de seriados com O Mistério de Ouro e Sangue / Battling Brewster / 1924.

O terceiro realizador independente de seriados foi Nat Levine, que fundou a Mascot Pictures Corporation em 1926. Os seriados da Mascot, embora realizados com poucos recursos, eram tecnicamente superiores aos das outras companhias. Eles davam primazia à ação em detrimento das intrigas e fizeram bom uso do talento de Yakima Cannutt, um criador audacioso de sequências perigosas e bem movimentadas.

Entre as firmas independentes existia ainda a Artclass dos irmãos Weiss, Max e Adolph. Estes não se preocupavam com a qualidade do seu produto e os três seriados que produziram no final dos anos vinte tinham histórias incrivelmente ruins, elenco pobre, diretores ineptos e seu tratamento cinematográfico  suscitou reações de incredulidade por parte dos verdadeiros fãs de seriados.

Situado muito acima de seus contemporâneos, George B. Seitz foi o decano dos diretores de seriados. Somente seu assistente, Spencer G. Bennet chegou a se aproximar dele em termos de habilidade com o megafone. Seitz foi também roteirista, ator, e confirmou seu talento atrás das câmeras com The Exploits of Elaine / 1914, que dirigiu juntamente com Louis J. Gasnier, continuando sozinho no comando nas continuações The New Exploits of Elaine e The Romance of Elaine. Estes três seriados foram estrelados por Pearl White e receberam o mesmo título em português: Os Mistérios de Nova York. Em 1916, Seitz fez excelentes seriados na Astra para a Pathé distribuir e, em 1919, formou sua própria companhia. Depois de dirigir  o último seriado de Pearl White, O Tesouro Oculto / Plunder / 1923 e mais alguns de Allene Ray, ele foi trabalhar como diretor de longas-metragens na  Paramount.

Spencer Gordon Bennet teve sua grande chance quando Seitz deixou de produzir seriados para a Pathé distribuir. Colaborando com Seitz durante anos, ele costumava estudar a montagem dos seriados do seu mestre, tornando-se um dos raros diretores que podia montar quase todo o seu filme com a câmera – poupando tempo, esforço, película e dinheiro. A capacidade de Bennet ficou mais do que comprovada em O Fantasma Verde / The Green Archer / 1925, o melhor seriado – baseado numa história de Edgar Wallace e com Allene Ray no papel principal – que ele fez.

Os diretores que exerciam suas funções na Universal tinham várias desvantagens, como a de trabalhar com histórias fracas e poucos recursos, porém o canadense Robert F. Hill sempre conseguiu extrair o máximo do mínimo, realizando os melhores seriados da companhia. Ele começou sua carreira nos serials com O Mistério do Radium / The Great Radium Mystery / 1919, estrelado por Cleo Madison e entre os seus sucessos estão As Aventuras de Tarzan / The Adventures of Tarzan / 1921 com Elmo Lincoln e Louise Lorraine (produzido pela Great Western e distribuído pela Numa Films dos irmãos Weiss) e  O Rei dos Detetives / Blake of Scotland Ward / 1927 com Hayden Stevenson e Gloria Grey, este último um dos mais rentáveis da Universal.

Dentre os diretores que filmavam seriados rápidamente e com baixo orçamento durante os anos 20, um dos melhores foi W.S. Van Dyke, oficialmente conhecido como Woodbridge Strong Van Dyke II, apelidado de “Woody” ou Van. Van, órfão de pai no dia seguinte do seu nascimento, “Woody” e a mãe trabalhavam como atores numa companhia teatral quando um amigo, Walter Long, lhe arranjou um emprego de figurante em Intolerância / Intolerance / 1916 de David Wark Griffith. Passando a maior parte do seu tempo livre observando Griffith dirigir, “Woody” decidiu que o seu futuro estava no cinema.  Após adquirir experiência, dirigindo  Jack Dempsey em  Vivo ou Morto / Daredevil Jack / 1920 e King Baggot em O Homem de Ferro / The Hawk’s Trail / 1920 , “Woody” firmou sua reputação conduzindo (juntamente com Fred Jackman) Ruth Roland em A Águia Branca / White Eagle / 1922, um seriado produzido pela companhia da própria Ruth (Ruth Roland Serials) e supervisionado por Hal Roach.

Outro diretor dos seriados de ação, Francis Ford, estreou em  A Rapariga Misteriosa, no qual atuou também como ator ao lado de Grace Cunnard, com quem se casaria em 1913. Os dois formaram uma dupla em quatro seriados que estiveram sempre na lista dos melhores dos primeiros tempos deste tipo de filme. Ford dirigiu onze seriados durante a sua carreira e interpretou facilmente tanto heróis quanto vilões. O seu melhor seriado sem Grace Cunnard foi O Silêncio Misterioso / The Silent Mystery / 1918. No período sonoro, até sua morte em 1953, Francis dependeu de seu irmão John para obter alguns papéis como coadjuvante.

A contribuição de Henry McRae para os seriados da Universal não foi tão expressiva quanto a do seu conterrâneo Robert F. Hill mas ele teve o mérito de ajudar a abrir as portas para os filmes em episódio falados com a realização de Índios do Oeste / The Indians are Coming / 1930. Trabalhando arduamente com os técnicos de som e solucionando ele próprio muitos problemas, McRae realizou o primeiro seriado-western falado que, estrelado por Tim McCoy e Allene Ray e baseado na história de William F. Cody, “The Great West That Was”, custou 160 mil dólares e deu ao estúdio um lucro de quase 1 milhão de dólares, tendo sido o primeiro filme dessa espécie a estrear em primeiro lançamento no gigantesco e luxuoso Cinema Roxy de Nova York. Will Hays escreveu para Laemmle: “Toda a indústria cinematográfica tem uma dívida de gratidão para com The Indians are Coming. Este filme trouxe vinte milhões de crianças de volta para os cinemas”.

Além desses diretores de seriados em destaque houve muitos outros, entre os quais os mais produtivos foram: J. P. McGowan, Jacques Jaccard,  William Duncan, Ray Taylor, Paul C. Hurst, Stuart Paton, Richard Thorpe, Jay Marchant, Duke Worne e James W. Horne.

Os principais mocinhos (ou “daredevils” ) dos seriados mudos foram: Charles Hutchinson, Eddie Polo, William Duncan, William Desmond e Joe Bonomo.

Charles Hutchinson tinha um sorriso cativante, capacidade atlética e era um exímio motociclista, anunciado como “The Thrill-A-Minute Stunt King”. Essas qualidades foram demonstradas em seriados como A Dupla Aventura / Double Adventure / 1921 e A Mantilha Prateada / Hurricane Hutch / 1921 dirigidos respectivamente por W.S. Van Dyke e George B. Seitz.

O acrobata de circo Eddie Polo (Edward W. Wyman), de origem austríaca, começou sua carreira cinematográfica como coadjuvante em A Moeda Quebrada / The Broken Coin e fez poucos seriados; mas sua popularidade foi insuperável enquanto esteve em atividade. Baixo e moreno, Eddie conquistou o público, por exemplo, em: O Fantasma Pardo / The Gray Ghost / 1917 de Stuart Paton, Sedução do Circo / Lure of the Circus / 1918, O Rei do Circo / King of the Circus / 1920 e O Sinete de Satanás / Do or Die / 1921, dirigidos por J. P. Mc Gowan, ficando conhecido como “Hercules of the Screen”. Aquí no Brasil seu prestígio era imenso: os fãs referiam-se a ele como Rolleaux, nome do seu personagem em A Moeda Quebrada, que estava sempre ajudando a heroína a se livrar de alguma dificuldade.

William Duncan, além de diretor, foi também ator. Escocês robusto e de cabelos pretos, ele estreou em O Rastro Sangrento / The Fighting Trail / 1917, e logo no seu segundo seriado, A Vingança e a Mulher / Vengeance and the Women / 1917, atingiu o topo da lista dos grandes mocinhos. A maioria dos seriados foram filmados em locação nas montanhas e ele nunca precisou de dublês.

Irlandês, com um rosto sério e sobrancelhas cerradas, que lhe aumentavam a aparência viril, William Desmond iniciou sua carreira nos seriados em Os Perigos do Yukon / Perils of the Yukon / 1922 mas nesta sua primeira aparição ele se machucou seriamente ao fazer uma cena arriscada e, daí em diante, sempre precisou ser dublado pelos stuntmen. Em 1925, Desmond era o principal mocinho da Universal, distinguindo-se em seriados como O Ás de Espadas / Ace of Spades / 1925 e Tentáculos de Aço / Strings of Steel / 1926, ambos sob direção de Henry McRae.

Joe Bonomo foi um dos raros dublês de cenas arriscadas que se tornou um astro dos seriados. Quando ainda era menino, Joe não se conformava com seu corpo magro e frágil e decidiu se submeter a um  programa de exercícios árduos, que o transformou num excelente atleta, dotado de um físico  muito bem desenvolvido. Em 1921, ele passou à frente de muitos rapazes num concurso intitulado “Modern Apollo”, ganhando  mil dólares de premio e um contrato para o cinema. Bonomo começou como stuntmen e coadjuvante de vários seriados, recebendo a cada dia mais cartas dos fãs, notadamente depois de ter feito O Sansão do Circo / The Great Circus Mystery / 1925, dirigido por Jay Marchant. Este seriado foi um tremendo sucesso, sendo logo seguido por Perigos das Florestas / Perils of the Wild / 1925, adaptação de The Swiss Family Robinson, dirigido por Francis Ford. Depois de outros trabalhos, Bonomo foi escolhido para ser o Tarzan no seriado da Universal de 1928, porém quebrou a perna e foi substituído por Frank Merrill. Bonomo ficou famoso por seu saltos fantásticos através de grandes distâncias, suas incríveis execuções de transferência de um veículo em movimento para outro, e a sua capacidade de segurar um homem sobre sua cabeça com uma das  mãos enquanto lutava contra outros agressores. Por curiosidade, foi Bonomo quem dublou Lon Chaney em O Corcunda de Notre Dame / The Hunchback of Notre Dame / 1923 e, vestido de gorila, assustou as pessoas em Assassínios na Rua Morgue / Murders in the Rue Morgue / 1932.

Além desses mocinhos em destaque houve outros, entre os quais os mais assíduos nos seriados foram: Ben Wilson, Walter Miller, Jack Daugherty, Elmo Lincoln, Art Acord, Cullen Landis e Antonio Moreno.

As principais heroínas dos seriados mudos foram: Pearl White, Ruth Roland, Helen Holmes, Allene Ray, Louise Lorraine, Ethlyne Clair, Eileen Sedgwick.

As Aventuras de Elaine tornou Pearl White famosa internacionalmente e continua sendo o seriado sobre o qual todo mundo ouviu falar. Ela foi a campeã de bilheteria da Pathé no campo dos seriados e ninguém a ultrapassou em termos de popularidade. Pearl fez mais nove seriados entre 1914-1919 (destaque para O Correio de Washington / Pearl of the Army / 1916, O Enigma da Máscara ou A Garra de Ferro / The Iron Claw / 1916 ,  A Jóia Fatal / The Fatal Ring / 1917, A Casa do Ódio / The House of Hate / 1918), antes de se transferir para a Fox,  a fim de participar de longas-metragens. Todos os seus seriados deram um lucro imenso porém Pearl pensou que poderia obter o mesmo sucesso em papéis dramáticos. Foi um erro grave. O drama não era o seu forte e os filmes da Fox na sua maioria foram um fracasso. Após uma viagem ao exterior e uma semi-aposentadoria, ela retornou à Pathé para fazer O Tesouro Oculto, seu último e memorável seriado.

Ruth Roland, a segunda rainha do seriado da Pathé (“Queen of the Trhriller Serials”), era dublada em todas as cenas que envolviam risco ou sofrimento. Robert Rose, um ex-cowboy franzino, foi um perfeito substituto para Ruth. Usando uma peruca, ele conseguia se fazer passar por ela até mesmo nos planos mais próximos. Como atriz, Ruth compunha bem os tipos que interpretava, e melhor do que as sua colegas dos seriados, sabia transmitir fortes emoções no meio das  situações mais excitantes. Aparentemente destemida e atlética, ela conseguia ao mesmo tempo manter o seu encanto feminino, apesar de aparecer invariavelmente com trajes de montaria, calças e botas.  Entre seus melhores seriados estavam: Cavaleiro Fantasma / Hands Up / 1918, O Rastro do Tigre / The Tiger’s Trail / 1919, As Aventuras de Ruth / The Adventures of Ruth / 1919) e a Flecha Vingadora / The Avenging Arrow / 1921.

A maior rival de Pearl White e Ruth Roland era uma jovem de Indiana chamada Helen Holmes. Ela ganhou fama como estrela do seriado mais longo de todos, Façanhas de Helen, explorando suas qualidades atléticas e sua paixão pelas estradas-de-ferro. Sua especialidade era perseguir os vilões pelo topo dos vagões  e pular para um cavalo ou automóvel ou de um cavalo ou automóvel para um trem ambos em movimento. Depois de filmar 48 capítulos de Façanhas, Helen e seu marido- diretor, J. P. McGowan, transferiram-se da Kalem para a Universal, onde ficaram apenas algumas semanas antes de sucumbirem aos apelos de Samuel S. Hitchinson da Mutual, que formou a Signal Film Corporation para produzir os seriados da atriz. O primeiro seriado de Helen na Signal, Mulher Audaciosa The Girl and the Game / 1915, foi um grande sucesso, seguindo-se Lass of the Lumberlands / 1916, The Lost Express / 1917 e The Railroad Raiders / 1917, cada qual contando uma historia sobre ferrovia mais popular do que o anterior.

Nos meados dos anos vinte surgiu Allene Ray. Esta bela loura de olhos cor-de-mel era extremamente séria com relação ao seu trabalho mas muito introvertida. Por causa de sua natureza calma, ela tinha dificuldade em expressar o medo, quando colocada numa situação perigosa, um grave defeito para uma serial queen; porém, como excelente atleta, nunca se recusou a fazer uma cena fisicamente difícil.  Em 1924, Allene estrelou quatro seriados e sua reputação foi aumentando aos poucos. Mas ela realmente deslanchou, quando formou uma dupla muito bem sucedida com Walter Miller em 10 seriados (sendo 8 consecutivos) entre os quais sobressaíram: O Fantasma Verde / The Green Archer / 1925, As Dobras de Prata / Sunken River / 1925,  No Deserto da Neve / Snowed In / 1926 e O Terrível Bandoleiro / Hawk of the Hills / 1927.

Umas das atrações mais sólidas da Universal nas bilheterias no início dos anos 20, Louise Fortune quase não conseguiu penetrar no mundo do cinema. Quando foi convidada para trabalhar em Hollywood, sua mãe foi contra. Porém, após algum tempo, ela obteve o consentimento de sua progenitora e começou como figurante nos filmes de Clara Kimball Young, passando depois para as comédias de dois rolos da Century. Louise recebeu um grande impulso e também um novo nome, quando substituiu Grace Cunnard em Elmo, o Destemido / Elmo, the Fearless / 1920, um seriado da Great Western, distribuido pela Universal. Depois de fazer Elmo, o Poderoso / Elmo the Mighty, Grace estava escalada para contracenar novamente com Elmo Lincoln mas não pôde fazer o seriado por motivo de saúde e Louise entrou no seu lugar. O êxito de Louise nesse papel a levou a um contrato com a Universal como heroína de seriado, aparecendo também em muitos westerns de dois rolos da companhia. Em Elmo, o Destemido Louise Fortune tornou-se Louise Lorraine. Seus seriados mais expressivos podem ser citados: As Aventuras de Tarzan / The Adventures of Tarzan / 1921 com Elmo Lincoln e O Sansão do Circo com Joe Bonomo.

A bela e extrovertida Ethlyne Claire, vencedora de um concurso de beleza em Atlanta, Georgia, iniciou sua carreira em Hollywood numa série de comédias chamada The Newlyweds and Their Baby. Depois de fazer na Universal seu primeiro seriado, O Cavaleiro Invisível / The Vanishing Rider / 1928, ela foi contratada pela Pathé, onde estrelou, com Walter Miller, O Lobo Sinistro / Queen of the Northwoods. Repleto de ação e suspense, este thriller muito bem construído utilizou um dos vilões mais misteriosos que chegou os seriados nos anos vinte. Ele aparecia quase sempre disfarçado (sob uma cabeça de lobo) no papel do Wolf-Devil. Dominando com um poder quase sobrenatural uma alcatéia de lobos, ele aterrorizava toda a região do Noroeste. Embora dublada nas cenas mais arriscadas, Ethlyne impressionou bem o público com o seu desempenho, demonstrando que tinha uma carreira promissora. Entretanto, a Pathé estava no processo de abandonar a produção de seriados, e Ethlyne não encontrou mais emprego neste campo. Ela obteve certa popularidade contracenando com alguns astros-cowboys como Hoot Gibson mas suas aparições nos serials, embora breve, foi marcante.

Pertencente a uma família de atores, que se apresentava como The Five Sedgwicks, Eileen Sedgwick trabalhou nos teatros de vaudeville através do país com seus pais, o irmão Edward e a irmã gêmea, Josie. Ed Sedgwick foi o primeiro a entrar para o cinema, trabalhando como cômico; posteriormente tornar-se-ia um diretor de seriados para a Universal (vg. Fantomas / Fantomas / 1920). A grande chance de Eileen surgiu em 1918, quando substituiu Molly Malone em Sedução do Circo, o segundo seriado estrelado por Eddie Polo. Este foi o primeiro dos seus doze seriados e ela logo se tornou a heroína principal da Universal no lugar de Marie Walcamp, que se aposentara em 1920. Eileen manteve-se ocupada durante os próximos doze anos, aparecendo em inúmeros westerns curtos, realizados entre os seriados nos quais participou. Exímia cavaleira, ela assemelhava-se a Ruth Roland no que dizia respeito à interpretação mas a Universal não tinha intenção de fazer dela uma estrela do mesmo calibre. Sua melhor aparição foi em O Cavaleiro das Sombras / The Riddle Rider / 1924) ao lado de William Desmond e Helen Holmes. Sua irmã Josie também participou de seriados como Vivo ou MortoDaredevil Jack / 1920  com o  pugilista Jack Dempsey no papel principal.

Aliás, outros campeões mundiais de boxe  integraram o elenco de seriados: James J. Corbet em O Homem da Meia-Noite / The Midnight Man / 1919 e Gene Tunney em Punhos de Aço / The Fighting Marine / 1926.  O mágico  húngaro Harry Houdini também atuou como ator em O Homem de Aço / The Master Mystery / 1919 mas o público teve dificuldade em aceitar um  ridículo autômato como um sério vilão. Segundo consta, um produtor independente tentou em vão contratar os astros do basebol, Babe Ruth e Lou Gehrig para estrelar em dois seriados.

Neva Gerber (Obs. no anúncio do filme no Brasil sai o nome da atriz errado), uma garota linda da alta sociedade de Chicago, formou com Ben Wilson uma dupla de muito sucesso. Eles fizeram juntos nove seriados excitantes preenchendo o vazio criado pelo fim dos quatro chapter plays protagonizados por outra dupla, Francis Ford e Grace Cunnard. Os seriados de  Neva-Ben eram muito movimentados e continham uma mistura de mistério e violência. Vale a pena mencioná-los todos: O Navio Fantasma / The Mystery Ship / 1917, O Telefone da Morte / The Voice on the Wire / 1917, O Rastro do Polvo / Trail of the Octopus / 1919, As Quatro Virgens Marcadas / The Branded Four / 1920, O Grito da Sombra / The Screaming Shadow / 1920, A Pérola Misteriosa / The Mysterious Pearl / 1921, A Caixa dos Mistérios / The Mystery Box / 1925, O Deus da Energia / The Power God / 1925 e  O Oficial 444 / Officer 444 / 1926.

Além dessas heroínas em destaque houve outras, entre as quais as mais assíduas nos seriados foram: Grace Cunnard, Marie Walcamp, Juanita Hansen, Marguerite Courtot, Mollie King, Cleo Madison , Edna Murphy e Ann Little.

Em 1929, começaram a surgir seriados feitos em duas versões, muda e sonora, esta com um score musical sincronizado e diálogo. Os dois primeiros foram O Às da Polícia Londrina / The Ace of Scotland Yard / 1929 e O Uivar das Feras ou O Rei do Congo / King of the Kongo / 1929. O último seriado silencioso foi O Livro Negro / The Black Book, lançado em 21 de julho de 1929.

Ao terminar este artigo, devo esclarecer que eu não ví nenhum seriado mudo na sua íntegra mas apenas condensações ou trechos de alguns episódios, que foram oferecidos pela Grapevine ou pela Serial Squadron pois, contra a minha vontade, não nascí no tempo do cinema silencioso. A maioria das informações contidas no meu texto foram extraídas dos livros Continued Next Week – A History of the Motion Picture Serial (University of Oklahoma, 1964) e Bound and Gagged – The Story of the Silent Serials (Castle Books, 1968) de autoria de Kalton C. Lahue, o maior especialista no assunto e também da esplêndida e abrangente filmografia de Buck Rainey, Serials and Series – A World Filmography (McFarland, 1999).

19 Responses to “SERIADOS MUDOS AMERICANOS”

  1. Uma das grandes delícias de ler este post sobre seriados mudos, alémdos títulos em português que não se encontram em nenhum outro lugar no universo, é ver que vários diretores interessantes começaram nestes seriados. Vou caçar os filmes de Joe Bonomo e Eddie Polo. Mas se finesse que escolher apenas um destesseriados para ver (que tarefa inglória!), sem dúvida seria O rastro do polvo. Adorei a foto! Apaixonei-me por Neva! Obrigado, AC!

  2. Na Amazon.com saiu um dvd com trechos de seriados mudos e entre eles tem o do polvo. Divirta-se.

  3. Excelente matéria. Desconhecia essas preciosas informações. Usual neste maravilhoso blog. Parabéns pelas pesquisas que relembram a saudosa Cinemim (ainda possuo alguns exemplares). Aliás, peço-te uma ajuda. Existe algum site que poderias indicar com os títulos em português dos filmes americanos? Nota-se muita confusão com os títulos de Portugal em vários links no Google.
    Este blog, Cinemim e até guias de DVDs&VHS antigos já contribuíram, mas ainda não descobri vários títulos das filmografias de Anne Baxter, Burgess Meredith, George Sanders, Vincent Price, Alan Napier, etc.
    Abraço.

  4. Prezado Ivan. Durante 40 anos eu e meu falecido amigo Gil Araujo pesquisamos os titulos em português dos filmes estrangeiros. Foi um trabalho árduo e por isso ele e eu fizemos um pacto de guardá-los somente para nosso uso. Uso-os no meu blog ou quando escrevo livros. Você não vai encontrá-los em nenhum site ou blog, pois eles usam os titulos traduzidos ao pé da letra ou titulos de Portugal ou até os inventam. A principal fonte são os jornais e revistas da época. Gil e eu vasculhamos também, anos atrás, o arquivos distribuidoras, Diário Oficial da União, colhemos alguns titulos de colecionadores, etc. etc. Se você tiver um pouco de paciência terá todos esses titulos no livro que está para sair, escrito por outro amigo meu, Sergio Leemann, intitulado Diretores do Cinema Americano Clássico. Com anuência do Gil antes dele falecer, entreguei todo o meu arquivo de titulos em português para o Sergio e, segundo o manuscrito que já li, ele fez o melhor Dicionário de Diretores do mundo com verbetes muito bem escritos e fotos raríssimas.

  5. Ótima notícia. Não te esqueças de avisar o lançamento deste livro no blog, ok? Agora, em minhas mãos, leio das Edições Cinemim, “Tudo Sobre o Oscar”, de Fernando Albagli. O autor agradece o teu auxílio, do Sergio e também a Gil Araujo.
    Entendo perfeitamente o pacto após tanto trabalho, fruto da paixão pelo cinema. Obrigado e um abraço.

  6. Certamente avisarei o lançamento do livro do Sergio pelo meu blog. Agora meus arquivos estão com ele e sempre que preciso de algum título, tenho que pedir a ele. Até breve.

  7. Elogiei a revista e digitei errado o nome: CINEMIN! CINEMIN!
    Perdão.

  8. visitando de novo seu blog,informativo e fotos raros.Poderia indicar os sites para captar essas fotos?

  9. Vou responder diretamente para o seu e-mail.

  10. Olá, AC,

    Talvez eu possa finalmente contribuir com uma ou outra informação:
    – “The Exploits of Elaine” e suas sequências foram exibidas no Brasil (e ao que parece, em outros países) com o título “Os Mistérios de Nova York” porque os 36 episódios das três séries originais foram condensados em uma só, com 20.
    – Pelos meus registros as seguintes séries foram exibidas no Brasil: “The Goddess” (“A Deusa”) e “The Girl and the Game (“Mulher Audaciosa”)
    Mas certamente obtive muito mais dados que não tinha de seu artigo, como sempre!

  11. Obrigado Fernando. O título dos três seriados Elaine eu dei. Quanto ao titulo em português de The Girl and the Game deixei de colocar por mero descuido (falha minha pois eu tinha o título Mulher Audaciosa) mas valeu por você ter notado a omissão. Finalmente, com relação ao The Goddess / A Deusa, eu não tinha este título nos meus arquivos, e agradeço imensamente a sua colaboração. Já fiz as correções. Gostaria no entanto que me dissesse qual a fonte consultada para encontrar o titulo de A Deusa (qual o periódico, revista ou programa de porta de cinema da época ou outra idônea.Mais uma vez obrigadíssimo.

  12. Fernando. Segundo o melhor livro sobre Douglas Fairbanks (de Jeffrey Vance), ele fez três pequenos papéís em The Martyrs of the Alamo / 1915 mas ele não disse quais. Os atores principais eram Sam de Grasse e Walter Long, artistas de segundo plano, e creio que por isso o filme não veio ao Brasil. Vance coloca este filme na filmografia de Fairbanks como “other film appearances”.Devem ter sido “pontas”.

  13. gostaria de adicionar fernando coelho,fã de seriados,aos meus orkuts..tenho 55 orkuts com milhares de fotos basta digitar josé simões filho guaçui

  14. A MOEDA QUEBRADA foi exibida no Cine Iris,na rua da Carioca.Durante a exibição quando eddie Polo{rouleaux} entrava em ação,os exprctadores quebravam as cadeiras do cinema de tanta empolgação Francis Ford era,nessa época,o maior ídolo de seriados

  15. Seu comentário enriqueceu meu artigo. Este testemunho da popularidade de Eddie Polo é inestimável.

  16. tenho todos os dados de seriados,inclusive foram de valia para buck rainey escrever SERIALS AND SERIES todos os seriados produzidos fora dos Estados Unidos-da França,Alemanha,Italia e mesmo do Brasil foram de minha autoria…um abraço josé simões Filho Guaçui -ES

  17. Há muito tempo caiu-me nas mãos um trabalho magnífico sobre todos os seriados mudos feito por uma grupo de antigos pesquisadores cujos nomes eu não me lembro. Você estaria neste grupo ou realizou sua pesquisa separadamente?

  18. Olá, amigo,

    Acompanho seu trabalho desde os tempos da Cinemin (ainda guardo minha coleção). Admiro seu trabalho de pesquisa sobre os filmes B e o cinema noir, publicados em livro. O motivo do e-mail é o seguinte: estou revisando um livro sobre cinema e cordel, que contém muitas ilustrações com capas de cordéis que utilizavam clichês de filmes. No cordel, não há crédito dos artistas que aparecem na capa. E alguns autores já tentaram identificar algumas atrizes, mas, a meu ver, cometeram grandes enganos. Gostaria de contar com a sua ajuda para identificar a atriz da capa de um desses cordéis. Já vi um autor identificá-la como a Rita Hayworth, mas visivelmente não é ela. Cheguei a pensar que se tratasse de Rhonda Flemming ou Patricia Medina. Você pode me ajudar? Eu poderia enviar a imagem da capa do cordel para você.

  19. Olá Antídio. Vou mandar a resposta para o seu e-mail.

Leave a Reply